Arquivo da tag: beleza

O que é “se cuidar”?

Oi, pessoal 🙂

Há tempos eu não escrevo um texto maiorzinho aqui no Blog, mas sinto que precisamos conversar.

Sobre o que, Paco?

R: Autoestima.

Qual é  questão?

Então…

Hoje em dia existem muitos blogs, canais no youtube e fanpages que existem em prol da autoestima feminina. São muitas as autoras que nos mostram que não existe um jeito único de ser bonita e que TODAS podemos nos sentir belas. E isso é muito legal!

Mas existe uma coisa que eu faço diferente. É dizer o seguinte:

O que eu quero dizer com isso?

R: Que questionar o valor que damos aos atributos físicos é mais importante do que ficar gritando o tempo inteiro que TODOS SOMOS LINDOS.

Não me entenda mal. Eu sou uma grande entusiasta da positividade corporal, acredito muito na beleza na diversidade e advogo a favor da democratização da beleza. NINGUÉM GANHA quando colocamos um único tipo de corpo no pedestal.

Mas eu realmente não acredito na obrigatoriedade de se sentir linda como rota para uma autoestima saudável (até porque isso não existe. NINGUÉM se sente maravilhosa o tempo todo)

Sugerir isso é sempre muito controverso e resulta em grande comoção. Começam a aparecer os comentários sobre a importância de “se cuidar” e do quando a mulher não pode “se abandonar”. Nos últimos dias recebi inúmeras acusações de estar promovendo o comodismo.

Aparentemente, as mulheres que seguem o NSE mergulham numa espiral descendente de conformismo e abandonam todas as tarefas de autocuidado, se escondendo atrás da máscara da “aceitação”.

É como aquelas famosas páginas “pro-ana” ou “pro-mia”, que incentivam os transtornos alimentares, só que o NSE seria o primeiro site PRÓ FODA-SE do Brasil.

Vamos tornar X-Bacon a base da nossa dieta.

Ninguém mais toma banho!

Nada de roupas novas.

Escovar o cabelo pra que?

Sinto informar, mas o NSE não é o primeiro site Pró Foda-se do Brasil (fica lançada a ideia, se alguém quiser criar um movimento inovador…). Eu nunca sugeri o abandono do autocuidado.

…O problema é que muitas pessoas confundem ter amor próprio com se lançar numa cruzada contra o corpo.

Ou seja, todas as mulheres partem do princípio de que o corpo que têm, como é, é absolutamente inaceitável. E desistir de brigar com ele é uma prova cabal de autoabandono.

Beleza exige sacrifício, certo?
Mulher tem que sofrer, certo?
Se cuidar dói, certo?

Eu fico realmente embasbacada com o fato de que quanto mais um tratamento estético te tortura, te trucida e te deixa roxa… mais eficaz ele é. E que a mera sugestão de tratar o corpo com amorosidade, respeito e carinho faz o público feminino correr em círculos escandalizado.

(Marca de criolipólise: loucura não é pagar caro para tomar porrada. LOUCURA é tratar seu corpo bem.)

Existem muitos espaços de discussão e muitas autoras escrevendo sobre a situação social desfavorável das mulheres: violência física-sexual-patrimonial-moral-psicológica-verbal…

Pode parecer um exagero da minha parte estar aqui sempre escrevendo sobre dietas e cosméticos diante de outras questões tão mais importantes…

Mas a realidade é que mesmo que fatores externos não te firam, pode ser que você faça isso por conta própria.

Tem sistema de opressão mais cruel do que aquele que ensina o oprimido a se causar dano?

Pode parecer que não se deixar engordar seja um legítimo ato de autocuidado. Todo mundo sabe que a mulher que controla o peso está SE CUIDANDO, não é mesmo?

O interessante sobre tudo isso é que VALE TUDO para se cuidar não engordar: laxantes, diuréticos, tratamentos que te deixam roxa, dieta líquida, inibidores de apetite, cigarro (!), ir dormir com fome.

Muitas pessoas que aparecem na minha página me acusando de ser uma grande defensora da negligência acreditam que perda significativa de peso é sempre uma demonstração de amor próprio.

Então… nem sempre.

Uma das coisas que eu trabalho com as pacientes que atendo é se olhar com mais carinho (portanto, não fazer coisas nocivas!). E o resultado de uma vida mais equilibrada não significa necessariamente perder peso.

Mulheres que fazem dietas muito restritivas e costumam comer porções minúsculas…podem ficar mais saudáveis passando a comer quantidades adequadas, e portanto, ganhando peso.

Mulheres que têm o peso estável e nenhum tipo de problema de saúde… podem se beneficiar do ato de desistir de ter um corpo mais magro e impossível de ser atingido/mantido.

Mulheres que ganharam peso em decorrência de uma relação disfuncional com a comida que leva a exageros constantes…emagrecem como consequência da normalização dos hábitos.

Ou seja: postar um antes x depois impressionante pode NÃO SER a rota de amor próprio ideal para todas as pessoas.

É importante entendermos duas coisas:

1) Experiência individual não se aplica à coletividade.

Recebi um recado inflamado de uma leitora da página dizendo que NENHUMA mulher que desiste de emagrecer está verdadeiramente realizada/feliz. A prova? O próprio testemunho! (“EU me abandonei, EU não tinha vaidade, EU cheguei no fundo do poço, EU estou muito mais feliz depois de ter emagrecido…”)

Não duvido que o emagrecimento torne a vida significativamente melhor para certas pessoas. Mas é desleal afirmar que este seja o caminho para TODAS. Foi assim para você? Ok. Mas não assuma que todas as mulheres que escolhem outras alternativas são conformistas e têm baixa autoestima.

Pode ter certeza que largar as dietas de uma vez por todas pode trazer tanta felicidade quanto os 20Kg que você perdeu. Depende da situação. Depende do caso. Depende da pessoa.

2) Nenhuma mudança para melhor acontece a partir da aversão.

Emagrecer?
Desistir de emagrecer?
Renovar o guarda-roupa?
Pintar os cabelos?
Deixar de pintar os cabelos?
Mudar de carreira?
Começar uma atividade física?
Pegar mais leve nos treinos?
Investir num batom novo?
Usar menos maquiagem?

…São MUITAS as possibilidades. Mas a coisa mais importante é você entender que existem dois jeitos de buscar mudanças: sentindo repulsa por si mesma, OU jogando no seu time.

Pode ter certeza que o que promove resultados genuínos, duradouros, saudáveis e sustentáveis é sempre a segunda opção.

Se ainda não ficou claro para você porque desenvolver a ACEITAÇÃO é tão importante, deixo um pequeno vídeo:

É isso, ok?

“Aceitação” e “conformismo” são coisas BEM diferentes 😉

E se a sua ideia de “se cuidar” está MACHUCANDO o seu corpo por dentro e por fora… Tem alguma coisa errada aí.