Arquivo da categoria: História e Cultura

Vamos viajar no tempo!

Hoje nós vamos viajar no tempo! Fique ligado neste texto porque eu sempre entrego o que prometo.

Pois bem.

Durante essa semana eu recebi muitas vezes a mesma figura, que foi originalmente publicada pelo Fernando Colunga Dr. Galã da Internet.

É uma figura sobre como comer ovos no café da manhã pode fazer a diferença na sua vida:

Na hora que eu vi, eu dei foi muita risada. Mas muitas pessoas estão compartilhando essa imagem por aí como se fosse uma boa dica de alimentação e saúde.

Pode acreditar: isso não é uma boa dica de alimentação e saúde. Por conta de alguns motivos:

1) Alimentos não têm poder de emagrecer as pessoas, nem de criar músculos.

A figurinha faz um incauto pensar que comer ovos no café da manhã é um fator decisivo para ter um corpo magro, musculoso e esbelto.

Mas isso é uma besteira, porque não existem alimentos mágicos.

Musculatura é algo que você desenvolve a partir do USO. Ou seja, para conseguir hipertrofia você precisa criar demanda para os seus músculos a partir da prática de atividade física.

Comer ovo ou comer pão não vai fazer diferença alguma no sentido de “moldar” o seu corpo. Simplesmente porque isso não existe.

2) A figura fala sobre ovo e pão de forma isolada, sem considerar contexto.

Comer ovo engorda?

Comer pão engorda?

R: Depende.

É impossível determinar se uma pessoa vai ficar gorda e/ou doente a partir do consumo de algum tipo de alimento sem considerar a QUANTIDADE e a FREQUÊNCIA do consumo.

Aprender no Instagram do Doutor Bonitão que “ovo é do bem” e “pão é do mal” pode causar confusão na cabeça das pessoas e promover um consumo exacerbado de ovos.

Pode ter certeza que comer 20 ovos por dia fará muito mais mal para o seu perfil lipídico do que comer um pãozinho francês todas as manhãs.

A questão nunca é o alimento em si, mas sim A MANEIRA que você consome. Guarde para a vida.

3) Demonizar carboidrato não é a resposta.

Seria cômico se não fosse trágico observar o quanto a espécie humana tem memória curta e repete os mesmos erros ao longo das décadas.

Transformar os carboidratos em vilões da nossa vida é mais do mesmo, só que com outra roupagem.

A partir da segunda metade do século XX começaram a ser enaltecidos os estudos que relacionavam doenças cardiovasculares com as taxas de colesterol sanguíneo. A cruzada contra a gordura encontrou o seu auge na década de 1980.

(Capa da Revista Time – 1984)

A alimentação Fat Free se tornou imperativa. E como consequência natural disso, o consumo de carboidratos aumentou significativamente na população ocidental.

Estudos mais modernos inocentaram a gordura saturada e então o discurso midiático começou a modificar radicalmente por volta de 2014.

(“Coma manteiga” – Revista Time 2014)

E aí que nasce o problema:

As pessoas simplesmente não sabem viver em endeusar/demonizar as coisas.

Ao longo de pelo menos três décadas as pessoas acreditaram que comer um simples ovo poderia resultar num ataque cardíaco (você lembra dessa época?)

Quando finalmente surgem estudos mostrando que o colesterol não é tão perigoso assim, o que acontece?

Procuramos aprender com nossos erros e pensar do modo menos radical?

Aprendemos que não existe um único “vilão” na nossa alimentação?

Buscamos o equilíbrio entre os macronutrientes?

Não!!

O que acontece é ISTO:

…E assim nasceu a carbofobia contemporânea.

Não se pensa nas variáveis, não se elucubra, não se reflete sobre as coisas, não existe lucidez, senso crítico, muito menos equilíbrio: as pessoas apenas reagem ao discurso maniqueísta sem pensar duas vezes.

“Gordura era do mal, mas agora é DO BEM…então vamos ter medo de pão e comer produtos de origem animal como se não houvesse amanhã.”

Por conta da tendência ao radicalismo e dessa nossa mania de procurar um culpado de tudo, agora existem médicos e nutricionistas incentivando os seguidores a praticar o egg day ou seja, passar um dia inteirinho se alimentando exclusivamente de ovo (saudável, né?)

Atualmente o discurso mainstream é: carboidrato é vilão. A consequência disso é uma multidão de pessoas que têm pavor de cereais e frutas mas comem manteiga, ovo e bacon como se não existissem consequências.

“Mas Paco, eu tô aqui ainda porque quero viajar no tempo!”

Sim, eu sei que prometi!

Veja como retroceder 30 anos em um segundo:

VOILÁ!!!

Agora você está em 1987.