Arquivo da categoria: autoestima

“Não é só um padrão de beleza…”

À medida que o tempo passa, aumenta a minha sensação de que a vida se transformou num duelo de lacre e estamos perdendo a mão para construir qualquer tipo de diálogo. A única coisa que importa é defender seu argumento de maneira fechativa e tombadora.

Não são apenas os guerreiros da justiça social que gostam dum bom LACRE, mas o pessoal da área da saúde também! Alguns médicos, nutricionistas e educadores físicos ficam felizes quando tentam provar por A + B que maltratar gordos é uma estratégia de saúde pública:

raiox-gordo

(QUE LACRE, não?)

CLARO QUE quando alguém faz uma postagem desse tipo, isso dá carta branca para que os preconceituosos de plantão justifiquem suas condutas – como é que alguém pode estar sendo gordofóbico, se manifesta tanta preocupação com a saúde das pessoas, certo?

** Interessante notar que quando pessoas assim vêem uma capa de revista ou um desfile de moda com modelos super magras, não pensa e nem alerta sobre as trágicas consequências do transtorno alimentar restritivo.

meme-novo

(Um MEME que você nunca verá…)

Ou seja: dois pesos, duas medidas. Não se fala nada sobre as pessoas (não apenas as modelos) que perseguem a magreza diariamente de forma patológica, mas mostra-se uma grande ‘preocupação’ com a saúde dos gordos.

NEWSFLASH: o corpo do outro diz respeito somente a ele, e você não foi chamado para patrulhar.

No mais, eu acho que é irresponsabilidade, ignorância e/ou má fé simplesmente presumir que toda pessoa gorda está a um passo de sofrer um comprometimento progressivo e terrível da sua saúde (como o meme sugere: se você está gordo, vai começar a escorregar pro fundo do poço a qualquer segundo)

Não é verdade que todas as pessoas gordas estão doentes, e os profissionais sabem disso. E se não sabem, é uma situação mais grave do que pensávamos…

Mas só para exercício de raciocínio vamos supor que o meme esteja correto e que a as pessoas gordas estejam, realmente, todas doentes.

Isso torna a humilhação uma prática legítima?

As pessoas postam essas coisas e é como se dissessem: “VIU?? Esses gordos estão doentes então eu não estou errado quando implico!”

…Acontece que você está errado.

(“Não é à toa que você está doente, olhe como está gordo”)

Não é OK humilhar gordos e fazer isso não tem nada a ver com promoção de saúde.

Se um gordo estiver de fato com algum tipo de doença, me pergunto: de que maneira TRATÁ-LO FEITO LIXO irá ajudar?

Caro colega profissional:

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas escrevendo textos sobre “epidemia de obesidade” e transformando pessoas com personalidade e sentimentos em estatística.

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas começando um “projeto biquíni” no seu perfil.

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas quando cria uma competição de emagrecimento.

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas quando reproduz a ideia de que “é gordo quem quer” e basta ter “força de vontade”

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas sugerindo constantemente que o corpo delas é fruto de desleixo

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas dando bronquinha porque não pode sair da dieta.

Você não faz nada de bom pela saúde das pessoas compartilhando meme esdrúxulo “para descontrair”.

As pessoas pensam que “dar uma prensa” no gordo irá provocar uma epifania de transformação. Ou seja: você humilha a pessoa, e ela melhora [NÃO FAZ SENTIDO]

O que ocorre é justamente o contrário“Internalizar essa ideia de que estar obeso é sinônimo de ser preguiçoso, incapaz e pouco atraente abala o estado emocional, é o que favorece, por exemplo, a depressão e a ansiedade”

Se você REALMENTE tem preocupação com o crescimento da tal epidemia de obesidade, entenda que detonar a autoestima do indivíduo é uma prática que não presta para nada.

E se você crê que existe algum SENTIDO em desencorajar gordos em qualquer tipo de atividade social porque pode ser que eles tenham hipertensão…então você não liga para seus clientes/pacientes. Nem um pouco! Você é apenas uma pessoa horrível.