O décimo círculo do inferno.

Não sei quantos de vocês já leram A Divina Comédia, mas acredito que muitos sabem que o Inferno de Dante tem uma estrutura de nove círculos.

O que pouca gente sabe é que existe o décimo.

O décimo círculo é um grande portal chamado “Inferno Livre”, no qual os condenados que não lavaram suas louças e passaram 3/4 de suas vidas na internet são obrigados a LER OS COMENTÁRIOS por toda a eternidade.

(É terrível)

Mas enquanto permanecemos neste plano, podemos ter uma amostra deste descomunal sofrimento.

Como NESTA PUBLICAÇÃO* da Revista Galileu, da edição de janeiro/2017.

*eu tive a honra de contribuir nesta matéria!

Os dementadores comentadores de plantão tiveram seus mundo abalados por causa DESTA CAPA:

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e texto

Os comentários que estão sendo feitos em reação à imagem desta modelo apenas confirmam que o preconceito contra as pessoas gordas é um problema social gravíssimo. Mesmo diante de fatos concretos – e do meu parecer como profissional – os que se queixam continuam se apegando ao senso comum e falácias que parecem-lhes brilhantes.

Vamos falar sobre alguns desses argumentos? Vamos!

1) O paladino da saúde pública

O paladino da saúde pública é um homem jovem, branco, heterossexual de classe média que manifesta uma genuína e comovente preocupação com a saúde coletiva toda vez que vê a imagem de uma mulher gorda apresentada num veículo de comunicação. Apareceram vários.

O paladino da saúde pública é o cara que aparece para nos falar dos mais recentes estudos que relacionam a obesidade com o risco de desenvolvimento de doenças crônicas – agradecemos por informações tão EXCLUSIVAS!

Eu, Paola, agradeço de modo particular porque eu, na posição de nutricionista, não estava SABENDO disso. Muito obrigada por me apresentarem a vanguarda da ciência.

Acontece que esta calorosa preocupação com o bem comum não acontece quando eles vêem a imagem de uma pessoa consumindo bebidas alcoólicas. Ou fumando. Ou apresentando comportamento sexual de risco [traçando várias mulheres sem proteção]. Ou magra demais.

Nããão!

Eles só se preocupam com o bem estar das mulheres gordas. Porque elas ~incentivam~ o aumento da obesidade, um problema de saúde pública.

Né?

Todo mundo sabe que quando uma adolescente vê uma modelo plus size num catálogo ou numa revista… ela come dez coxinhas.

Mas se você não é um hipócrita (acreditamos!) e o seu foco é MESMO a saúde, permita-me tranquilizá-lo:

Não é verdade que todas as mulheres gordas estão doentes.

O que define a saúde de um indivíduo são os seus hábitos. Não o seu aspecto físico.

Existem pessoas magras que se alimentam inadequadamente.
Existem pessoas gordas que se alimentam inadequadamente.
Existem pessoas magras sedentárias.
Existem pessoas gordas sedentárias.
Existem pessoas magras fisicamente ativas.
Existem pessoas gordas fisicamente ativas.

Existem PESSOAS e suas ROTINAS.

Inclusive, essa hiper-preocupação exclusiva com pessoas gordas favorece que as pessoas naturalmente magras não se interessem por um único check-up…porque, se são magras, significa que está tudo OK com elas.

EXISTE gente gorda saudável. Aos montes. E se você nega o fato, é porque é um ser humano obscuro e teimoso.

MAS E SE ELA ESTIVER DOENTE?

E se a modelo for, de fato, hipertensa? Pré-diabética?

O corpo dela se torna menos aceitável? Por que?

A glicemia dela é alta… portanto ela não pode aparecer na revista?

A glicemia dela é alta… portanto ela não pode ter namorado?

A glicemia dela é alta… portanto ela não pode ser feliz?

A glicemia dela é alta… portanto ela não merece a vaga de emprego?

A glicemia dela é alta… portanto ela não pode usar um biquíni?

A glicemia dela é alta… portanto ela só pode usar roupas pretas?

A glicemia dela é alta… portanto ela deve se esconder e se envergonhar?

Percebe como não tem nexo levantar uma argumentação sobre ~saúde~ para ocultar o fato de que a visão de gordas simplesmente não “agrada” o olhar do público?

Eis o motivo que move o típico paladino da saúde pública:

preconceito

Próximo!

2) A analogia errada.

As pessoas que fazem a analogia errada são aquelas que acham que politicamente correto é um saco. Tudo vitimismo. Tudo mimimi.

As pessoas que fazem analogia errada lidaram com o bullying aprendendo a rir de si mesmas e foram alimentadas com cigarrinho de chocolate PAN.

Aí elas gostam de escrever assim:

“O mundo está um porre. Daqui a pouco vai ser proibido sorrir porque é desrespeito com quem não tem dentes.”

Não, colega. Não vai.

Essa analogia é errada.

Ninguém bate em pessoas que não têm dentes.

Ninguém troca de calçada quando vê uma pessoa sem dentes.

Ninguém acha que não ter dentes é uma degradação moral

Ninguém fala “é banguela quem quer”

Ninguém acha que ter dentes é uma simples questão de ESCOLHA.

Ninguém diz que tem NOJO de pessoas que não têm os dentes da frente.

Ninguém fala que não é obrigado a dividir transporte público com pessoas sem dentes.

Ninguém diz “nada contra os banguelas, desde que sejam banguelas entre quatro paredes”

Só pare.

O que você falha em entender é que: politicamente correto existe para aquilo que precisa ser corrigido.

E sabe O QUE precisa ser corrigido? O estigma.

É POR ISSO que precisamos de representatividade. É POR ISSO que precisamos de inclusão. É POR ISSO que precisamos de medidas politicamente corretas: para reincorporar os elementos marginalizados.

Só que no fundo você não gosta disso, né?

Então você usa o denso argumento do mimimi porque não gosta de dividir privilégio.

Próximo!

3) Rodrigo Pereira

Como eu sou a nutricionista que contribuiu para a matéria da Galileu, me manifestei porque o espaço para comentários virou um pântano de preconceito e ignorância. Uma das coisas que estão sendo ditas é que o gordo é 100% responsável por sua condição e por este motivo, ele sobrecarrega o SUS [e nós – cidadãos DE BEM™ – pagamos a conta].

E eu disse o seguinte:

comentario-galileu

Aí, nós fomos agraciados com a opinião do Rodrigo Pereira:

rodrigo-pereira(TOP DEMAIS, hein Rodrigão?!)

Eu não parei. Eu li tudo.

Então Rodrigo…

Eu não acho que a saúde é um direito de todo cidadão. A saúde É um direito de todo cidadão.

Ferrari, casa na praia e felicidade eterna são luxos supérfluos (Sim – eu disse que felicidade é um luxo… e se você for um hedonista irremediável que não sabe tolerar sofrimento, tá faltando um pouco mais de experiência de vida)

A saúde, por sua vez, é uma necessidade básica de todo ser humano. Uma necessidade. Fundamental… entende?

196

Só que você trata a questão com um grande ‘KKK’ porque saúde é um bem que nunca te faltou. Porque os seus pais sempre te incluíram no pacote AMIL e você nunca entrou num hospital público na sua vida.

Entenda Rodrigo, que este não é um debate sobre “dar o peixe” ou “ensinar a pescar”. Isso não tem NADA A VER com o conceito de “Estado Babá”.

Todos os modelos de sociedade que concebemos hoje garantem [e devem garantir], mesmo que deficitária e minimamente, a saúde de seus cidadãos.

Até o MAIS LIBERAL DOS PAÍSES conta com sistema de saúde pública, Rodrigo.

Saúde não é bem de consumo. E provê-la não é assistencialismo.

Nenhum país da Terra segue a política de deixar-os-desvalidos-ao-léu. Isso existe apenas dentro da sua cabeça ignorante e egoísta.

Os gordos são um peso para a sociedade?

Ora, no meu entendimento, PESO é uma pessoa como você. Um jovem adulto que apenas consome recursos, em nada contribui para melhorias na comunidade, não tem a decência de desenvolver noções de civilidade e apenas nos presenteia com seus comentários dantescos dignos do décimo círculo que eu acabei de inventar.

É realmente muito difícil [para não dizer impossível] ter empatia e senso crítico quando a sua maior preocupação na vida é juntar dinheiro para as baladinhas TOP e para a próxima versão do Playstation.

ESTUDEM, Rodrigos do Brasil. Ainda dá tempo.

 

 

Anúncios

3 ideias sobre “O décimo círculo do inferno.

  1. Gisela

    Sou gorda! Na verdade hoje com quase 60 anos sou considerada obesa mas a vida toda foi uma guerra com a balança. Uma guerra que começou muito antes que eu entendesse que ser gordo era “feio”. Quando eu tinha 13 anos minha mãe me levou a um médico ginecologista (ele já morreu) que me receitou anfetaminas. Com 13 anos eu media 1,70m e pesava 65 kg. O drama da minha vida começou aí. Minha mãe teve boa intenção. Na cabeça dela só os magros eram felizes. Estou falando de 1970, vocês têm ideia do que é isso? Daí para frente meu corpo foi uma sanfona. Uma hora eu pesava 57 kg e na outra 80. Fiquei viúva aos 38 anos e engordei 20 quilos porque, claro, meu consolo era a comida. Dois filhos pequenos, um trabalho que me consumia, a saudade horrível de um marido que eu amava demais.
    Hoje a vida é leve (desculpe a ironia) mas é leve sim.
    Hoje com quase 60 anos eu sei que o que importa é a minha saúde e não o número de roupa que uso ou que aparece na balança.
    Hoje eu como o que tenho vontade na hora que tenho vontade e se engorda, puxa, que pena!
    Eu gostaria de emagrecer 20 quilos e pesar 80? Com certeza, mas não que isso seja prioridade na minha vida.
    Tudo passa. A juventude, a beleza física, a necessidade de aprovação.
    A gente só vai deixar aqui aquilo que somos por dentro. Aquilo que fazemos que possa ajudar o outro. O que fizermos para melhorar o planeta e a vida daqueles que aqui vivem.
    Infelizmente muitas pessoas só descobrem isso quando é tarde demais.

  2. Não sou Exposição. Autor do post

    Não, Catharina. É uma questão de tempo até que a preferência por mulheres magras seja considerada crime hediondo. Ninguém estará a salvo da polícia plus size, que irá confiscar todos os calendários, filmes e revistas que apresentem imagens de mulheres magras. Todas as modelos atualmente ativas nas principais agências do mundo serão exoneradas. IMC 40 será a norma. Profissionais como eu trabalham a mando das corporações alimentícias para tomar a OMS de golpe, mudar as diretrizes de saúde para que todas as políticas públicas incentivem o amplo consumo de fast food e o sedentarismo absoluto. Todas as academias serão desativadas e apenas SPAS de engorda serão permitidos. Teremos uma ditadura obesa, você não perde por esperar. Bolsogordo presidente 2018!

  3. Catharina

    Ai meu deus, por favor né! Ninguém é obrigado a nada! Nenhum homem tem que achar essas gordas porcas nojentas atraentes, eu sou feminista, mas sei que o bonito é ser saudável, não tentem impor que gordura é saudável, é o mesmo que dizer que fumar não faz mal, afinal ainda não tenho câncer! 🙂

Os comentários estão desativados.