“Qual é o problema das blogueiras?”

blogueiras-fit

Talvez eu me encrenque com fandom, mas vou falar do mesmo jeito!

Algumas pessoas não entenderam por que ontem eu fiz uma publicação criticando conselhos de blogueiras fitness, afinal, que mal tem seguir pessoas comprometidas com a saúde?

Acontece que NADA do que é propagado no famoso segmento Fitness do Instagram se relaciona com saúde.

As blogueiras são a epítome do culto ao corpo e da sociedade da imagem. São um fenômeno típico de um mundo onde não importa ser. Importa PARECER QUE é. E não existe espaço melhor para forjar realidades do que as redes sociais.

Seguir esse tipo de conteúdo promove uma espécie de narcisismo invertido: quanto mais a pessoa observa, pior ela se sente.

As moças magras, brancas, longilíneas e detentoras de nítido privilégio social vivem EXCLUSIVAMENTE da construção da própria imagem, sendo que a “mulher comum” que acompanha o conteúdo se sente culpada por não estar tomando água de coco à beira da piscina às 16 horas de quarta-feira, ou seguindo uma rotina diária de 20 exercícios somente para os glúteos.

Instagram Fitness é conteúdo ansiogênico porque incentiva que o público compare bastidores com espetáculo.

Também reforça a cultura do “convívio dos eleitos”, ditando que o valor pessoal reside no corpo, mas não só isso: um corpo geneticamente específico E moldado com muita técnica e esforço. Não basta o corpo ser magro. Ele deve ser meticulosamente magro e, definitivamente, um privilégio para poucos.

Coberto o ponto sobre o exclusivismo dos corpos “sarados” (aquilo que precisa ser sarado é o que está inadequado-ruim-doente), falemos sobre a questão da saúde.

Ali não tem saúde.

Simples assim.

A cultura fitness passa noções estereotipadas sobre saúde, dividindo a comida entre “boa” e “ruim”, “limpa” e “suja”, “sofisticada” e “medíocre”. Divide-se também os indivíduos entre “vencedores” e “perdedores”, sendo os primeiros os que dedicam-se com fervor às práticas de manutenção de um corpo planejado e construído. Os perdedores são aqueles que falham na tarefa de domar e disciplinar o que é natural.

Entende-se que o corpo “saudável” é fruto de sacrifício, disciplina, autocontrole, ascetismo – privação de sono, dieta monótona, narcisismo, obsessão e overtraining (contraditório? MUITO!!!!!). Deixar o corpo em paz e atender às suas necessidades [o que deveria ser entendido como prática saudável] é considerado uma falha moral.

(Isso não tem nada, nada, nada, nada, nada, nada, nada a ver com práticas saudáveis.)

Sobre o post de ontem:

blogueira

A blogueira em questão disse que: “ter barriga negativa não significa saúde.”

E de fato, ela tem razão.

O problema é que: os profissionais da saúde, que são as pessoas qualificadas para comunicar e educar sobre o tema, simplesmente não são levados em consideração porque as pessoas preferem crer nas donas dos corpos moldados, formadas na “escola da vida”. Temos que esperar que a informação correta saia da boca de uma blogueira, para que seja validada!

O fato de que uma blogueira “deu uma dentro” não abranda a problemática.

Nós pensamos muito equivocadamente sobre corpo, saúde, alimentação e bem estar. E o segmento fitness da internet é ao mesmo tempo sintoma e causa. É um quadro que retroalimenta.

Não existe absolutamente nenhum motivo razoável para seguir esse tipo de conteúdo.

E não vai te fazer bem.

Anúncios

Uma ideia sobre ““Qual é o problema das blogueiras?”

  1. Heloisa Carvalho

    E é incrível como as pessoas se deixam afetar por essas blogueiras… Frequento academia e vejo MUITAS mulheres se sentindo mal, se cobrando por não ser como essa ou aquela “musa”. Eu sempre que posso converso com essas mulheres… Simplesmente porque não é possível que a gente seja como elas! Conversando com uma colega eu perguntei: você pode treinar 5 horas por dia? Alguém está pagando pra você frequentar a academia? Você recebe todas as suas refeições na sua casa? Nem precisei falar mais nada…

Os comentários estão desativados.