O PARAÍSO PERDIDO

AVISO: textão! textão! textão! textão! textão! textão! textão! textão!

tretas

(CHEGA DE TRÉGUA)

Nessa vida na internet, todos os nutricionistas lúcidos, sensatos e ponderados conhecem este MANDAMENTO:

“Não discutirás sobre dieta paleolítica.”

Todos nós desconversamos e recuamos diante deste movimento com fortes nuances de sectarismofalarei sobre isso mais adiante.

Mas às favas com a ética invisível da evitação de treta… porque hoje eu VOU FALAR sobre paleo.

E tô de peito aberto para tomar coquinhos, sementes oleaginosas, alguns pedaços de presunto e, claro, ovos.

Mas Paco, porque essa decisão repentina?

Pois.

Ontem eu escrevi um texto sobre como é desnecessário restringir o consumo de carboidrato para todas as pessoas, sendo que essa medida deve ser tomada em situações clínicas muito específicas, e não como regra.

Aí alguns entusiastas do “paleo lifestyle” me acharam e começaram a dar seus vorazes testemunhos sobre a libertação do nefasto VÍCIO do açúcar e das farinhas e como quem entra em cetose ‘nasce de novo’ e atinge um grau superior de enlightenment (e o jejum intermitente, e a insulina, e o low carb, e os benefícios da gordura yada yada yada yada yada…)

Os relatos são verdadeiras histórias de conversão e redenção, muito parecidos as narrações de MILAGRES fantásticos que ouvimos toda vez que a gente liga o rádio do carro.

Mas nenhuma das pessoas que aderiu à PALEO encontrou Jesus… mas sim embarcaram numa fad diet.

(Gloriosa cetose!!)

Mas gente, é sério: isso é muito sério.

São textos e comentários alucinados sobre os horrores do carboidrato. Alguns trechos do que li de ontem para hoje:

– “Nossos governos” (?) criaram (?) uma pirâmide alimentar para nos incentivar a comer industrializados.

– O açúcar é a maior droga já fabricada (zzz...)

– as pessoas estão doentes e viciadas em comida (!!)

– comer carboidrato é uma NOVA FORMA DE ESCRAVIDÃO (!!)

– somos reféns de uma CÚPULA QUE FABRICA DOENÇAS (wtf?)

– a indústria alimentícia insere as pessoas dentro da MATRIX (!!)

– aos poucos as pessoas estão ACORDANDO e aderindo à dieta paleolítica (avivamento!!!)

Então vamos entender a situação:

~os governos~

formam uma ~cúpula que fabrica doenças~

que inventou ~a maior das drogas~

com o objetivo de ~viciar as pessoas em comida~

para jogá-las ~dentro da MATRIX~

e ~torná-las escravas~

e temos que ~ACORDAR~ para isso, seguindo a DIETA PALEO

SABEM POR QUE OS GOVERNO TUDO FAZ ISSO???

PORQUE DAÍ ELES SERÃO ONE HUNDRED BILLION DOLLARS RICHER!!!!!!!!!!!

MUAHAHAHAHA MUAHAHAHAHA MUAHAHAHA MUAHAHAHA….

HAHAHAHAHAHA

HAHAHA

haha

ha.

Teorias da conspiração são alimentadas pela falta de estudo. Não se faz uma análise dos fatos políticos, sociais e históricos e cai-se na hipótese das “autoridades perversas (por motivos de: simplesmente SÃO perversas)

Ok, retornando…

Como eu disse anteriormente, eu não sou a única nutricionista que gostaria de falar abertamente sobre isso, mas que não tem ESTRUTURAS para lidar com a força do fanatismo.

Então este é consenso: “Paleo? Aaahn… essa dieta é um pouco controversa, sabe?”

Quando na verdade, você está querendo responder: BULLSHIT!!!!!

Uma amiga minha muito querida, excelente nutricionista, passou por uma situação na qual ela foi doutrinada a respeito da maravilhosidade da Paleo – A MELHOR DIETA DE TODOS OS TEMPOS E A ÚNICA VERDADE.

O que ela fez?

Desconversou e assim que chegou em casa foi buscar artigos científicos para contra-argumentar. Mas não achou nada no PUBMED que dissesse que emular a vida de um neandertal no século XXI é um fenômeno estrambólico.

Acontece que os estudos científicos apenas entram no mérito da dieta e os efeitos que ela causa no organismo. E É CLARO que não há como dizer que os humanos não se adaptam bem às diretrizes alimentares da Paleo.

Por que?

R: Porque o homem é uma praga dum animal resistente e insistente que tem uma capacidade de adaptação incrível e pode viver comendo dos modos mais diversos, nos ambientes mais inóspitos.

O homem pode viver:

Se alimentando exclusivamente de gordura animal na Groenlândia

Sendo primordialmente vegetariano no sul da Índia

Tomando sopa de cachorro em Hong Kong

Comendo diversos tipos de insetos na Tailândia

*OBS: Estou falando sobre como um homem PODE viver, e não sobre como ele deveria viver.

Então qual é a dieta perfeita? High carb, low fat? High fat, low carb? Vegetariana? Ou a embriaguez de carnes do Dr. Atkins? Faz jejum? Não faz? Come fruta? Não come? E o ovo??

SEI LÁ! (E quem falar que SABE estará sendo um fanfarrão!)

“Nossaaa, mas você não é nutricionista?”

Sim! Sou! Só que eu sou daquelas RETRÓGRADAS que acreditam que a questão chave é comer com moderação e ter uma alimentação variada, sem se privar dos bons momentos. Não prescrevo nada inovador ou emocionante, cheio de regras, pontos e “fases” (…pera, o assunto aqui é alimentação ou vídeo-game??)

Enfim, só sei que dá para viver dentro de todos esses esquemas alimentares. Como eu disse, o homem é onívoro e altamente adaptável.

Por isso, nenhum argumento científico fará a proposta PALEO cair por terra. Até porque é fisiologicamente fascinante e está sendo constantemente estudada.

Mas e aí, o que acontece??

Acontece que a minha amiga sabe muito bem que essa dieta: é restrita, inflexível, estressante, cheia de regras difíceis, uma aberração histórica, um ninho de nutcases excêntricos ou desavisados que caem no discurso e além disso causa mudanças drásticas na vida social e nas relações interpessoais do indivíduo, que se torna completamente obtuso e fascinado por sua “mudança de vida”.

Só que no PUBMED não tem escala para medir o olhar vidrado daqueles que nos vêm contar as histórias sobre a “toxicidade do açúcar” e o efeitão placebo a maravilhosa ~limpeza interna transformadora~ promovida pelos jejuns de 23 horas.

Sobre os tais jejuns, uma outra amiga minha me contou que quase ficou louca tentando seguir a dieta paleo, e relatou momentos em que a frustração era TANTA, que ela realmente começou a GRUNHIR no lugar de verbalizar. Talvez a proposta dessa dieta seja de fato SE TORNAR um homem pré-histórico…

(Se você vai sofrer com jejuns, ao menos pode escolher uma trilha sonora maneira…)

Voltando!

O fato de que nós, da área da saúde, não temos permissão para falar nada que não possa ser lido num ESTUDO™, faz muita gente recuar diante de uma flagrante sandice que happens to be metodologicamente irrefutável. E eu chamo isso de “Síndrome de Esqueleto

Para quem não sabe, o Esqueleto é um personagem do filme “Nacho Libre” (2006), estrelado pelo Jack Black. Na trama, Ignazio (Black) é um frade cozinheiro que mora num monastério no México, que começa a se envolver com Lucha Libre para arrecadar dinheiro para dar melhores condições de vida às criancinhas de um orfanato.

Enfim, Nacho tem um parceiro fiel, o Esqueleto. E o esqueleto acredita apenas na ciência.

(I ONLY BELIEVE IN SCIENCE)

Mas nós não precisamos fechar a nossa mente assim como o Esqueleto. Não precisamos ficar caladas quando a falta de suporte no ~PUBMED~ nos deixa de mãos atadas.

Nós temos senso crítico.

Nós temos capacidade analítica.

Nós temos noções sobre história, sociologia, cultura e comportamento humano.

Nós sabemos muito bem identificar quando uma besteira é uma besteira!

Sinto muito: eu não vou esperar 100 anos por um ~ESTUDO~ que mostre que as pessoas que propagavam o “estilo de vida paleo” nas primeiras décadas dos anos 2000 estavam prejudicadas em seu juízo.

Coisas absurdas são absurdas. Eu tô vendo. E minhas colegas também tão vendo.

Agora vou prosseguir na discussão.

A dieta paleo e o tal “paleo lifestyle” ganharam uma FORÇA ABSURDA nos últimos anos por causa de uma conjuntura de fatores:

Crença numa VERDADE ABSOLUTA + jargão científico impressionante + argumento EVOLUTIVO + evocação de MITO

Sim: mito! (já vou chegar lá)

A dieta paleo tem explicação fisiológica, metabólica, científica, histórica, evolutiva…parece tudo tão COERENTE!! Então quem é que poderia ter a audácia de criticar?

Acontece que o princípio fundamental dessa dieta é uma FALÁCIA.

O CONCEITO:

“Imagine-se vivendo na Era Paleolítica, sem nenhuma máquina para agricultura, sem a indústria alimentícia e nem instrumentos para culinária…apenas comendo o necessário para ficar vivo!

Bom, você certamente não conseguiria comer grãos, uma vez que não poderia cozinhá-los, não poderia degustar massas e coisas que levam açúcar branco, já que seria impossível processar os grãos e a cana de açúcar…e com certeza não teria acesso aos produtos industrializados de hoje em dia!

Acho que você deve estar começando a entender onde quero chegar…

Como o próprio nome já diz, a dieta Paleolítica não traz consigo muitas regras, você basicamente pode comer o que o homem comia milhares de anos atrás – E se chegamos até onde chegamos só comendo isso, é fácil perceber que provavelmente este tipo de alimentação tem seus benefícios.”

Uau. Parece um conceito muito, muito, muito razoável, não?

Só tem um problema: o homem nômade do período da pedra lascada chegou… ao fim.

(“É fácil perceber que provavelmente esse tipo de alimentação tem seus BENEFÍCIOS…”)

Não foi o estilo de vida PALEOLÍTICO que nos fez “chegar aonde chegamos” – foi a agricultura.

Já vou elaborar esta ideia, mas só queria frisar que eu li bastante o que está disponível sobre ‘paleo’ na internet no momento, e a maioria das pessoas que defendem essa dieta são apaixonadas por fisiologia, saúde, fitness, treino, hipertrofia e temas correlatos.

E quando uma pessoa é topzera na fisiologia, mas não tem noção da HISTÓRIA DO MUNDO em que está vivendo, misturar dieta com “estilo de vida” resulta numa ZORRA.

Sabem com o que estamos lidando DE VERDADE?

R: MITO DO PARAÍSO PERDIDO.

O atrativo do estilo de vida paleo é a ideia de que no passado tudo era melhor porque o homem vivia em perfeita sintonia com a natureza e dela obtinha tudo o que necessitava, antes de ser corrompido afastado desse estado de vida idílico e harmonioso. O homem de hoje sofre porque virou as costas para as dádivas da natureza, e não somente isso, tentou conquistá-la e agora enfrenta as consequências.

Você já leu essa história em ALGUM LUGAR? Te lembra alguma coisa?

Só vou dar uma dica:

O Paraíso. A apropriação do conhecimento. A Queda.

Yep, é isso mesmo: o argumento central da Dieta Paleo pode ser encontrado NA BÍBLIA.

Vou contar uma historinha:

Existem inúmeras maneiras de interpretar “A Queda” do homem, que é narrada no Livro do Gênesis (Cap. 3). Uma das mais interessantes é justamente sobre o domínio das civilizações agricultoras sedentárias sobre as civilizações nômades, criadoras e coletoras.

Pausa para lembrete histórico: o fator crucial da passagem do período paleolítico (2 milhões a.C. até 10.000 a.C) para o neolítico (12 mil até 4 mil a.C.) foi: o domínio das técnicas de AGRICULTURA.

Quando o homem primitivo era pastor e peregrinava com o gado, a terra lhe era indiferente, e o homem via-se impotente e dependente do comportamento do solo, sem possibilidades de nele interferir. Somente com o domínio das técnicas de agricultura, e com a utilização do arado de boi, pôde surgir o conceito de propriedade e o sentimento de posse e domínio da terra. Deste modo, pela primeira vez o homem sentiu-se senhor da terra, e não apenas um hóspede no meio das plantas indômitas.

Continuação da historinha:

O homem vivia no jardim dos prazeres (quando estava completamente imerso na natureza e coexistia com ela – período paleolítico). Mas a partir do momento em que provou o fruto da árvore do conhecimento (o CONHECIMENTO sobre o cultivo das sementes e das técnicas agrícolas) foi amaldiçoado:

“Comerás o pão com o suor do teu rosto”

CÊIS TÃO VENDO ISSO??? Deus disse “o pão“. O terrível trigo, o glúten, todo O MAL da humanidade está contido neste alimento! Ele é uma maldição!!!!!!

A própria natureza que o homem dominou tornou-o escravo: a partir desse momento, para comer é necessário trabalhar. E o castigo do homem é o trabalho sistemático em ordem de sobreviver.

– E ESTA, MEUS CAROS, É ‘A QUEDA’ –

Portanto: argumentar que plantar cereais foi a danação do homem (procure essa teoria no best-seller mais próximo de você!!!) – é 1% ciência e 99% MITO.

E que tal MAIS UMA historinha??

Você tem uma bíblia na sua casa? Não se preocupe, se não tiver, tem online!

Então procura aí: Gênesis 4: 1-16

Leu? Então resumão:

Adão e Eva tiveram dois filhos: Caim era agricultor, Abel era pastor. Certo dia, eles levaram oferendas à Deus. Caim ofereceu frutos da terra e Abel ofereceu carnes gordas das crias do rebanho

ÉÉÉÉÉ, gente: acabamos de verificar que DEUS é #paleolifestyle porque ele rejeitou os frutos da terra, mas curtiu as carnes gordas.

…E aí Caim matou Abel.

caim-trigo

(Deus não curtiu o trigo.)

Mas Paco, o que raios isso quer dizer? Porque Deus quis uma oferenda e rejeitou a outra? Isso foi aleatório? Será que tem um sentido?

Permita-me mostrar imagens de um livro de história – uma aula na qual gente por demais DORMIU – que eu peguei aqui no meu antigo material do ensino médio.

Obs: a pintura nervosa foi feita por mim.

8000_ac

(Mapa do Oriente Médio e Península Arábica em 8.000 a.C – Pode-se ver o início da expansão da revolução agrícola na terra entre rios [Tigre e Eufrates])

Próximo mapa:

4000_ac

(Mapa do Oriente Médio e Península Arábica em 4.000 a.C – Pode-se ver o nítido aumento de território conquistado pelos povos agricultores)

Agora perceba uma coisa no segundo mapa: há um esquema que mostra os LAVRADORES em um movimento de conquista dos PASTORES SEMITAS.

Você com certeza sabe muito bem que essa expansão territorial não se deu na diplomacia. Foi passando o rodo, mesmo.

CAIM MATOU ABEL, LEMBRA???

A história é sobre isso: os povos agricultores que conquistaram os pastores semitas.

Semitas são os ancestrais dos hebreus.

…E nós fazemos parte da Civilização Judaico Cristã Ocidental.

Essa passagem da bíblia é contada na perspectiva dos Semitas. E uma vez que eles foram dizimados pelos agricultores, é claro que o mito narra que os agricultores receberam a marca de Caim e foram amaldiçoados por Deus: eles eram o povo inimigo.

Toda essa surra de história foi para finalmente chegar na minha pergunta:

– Cêis pensam que é NOVO o argumento de que o desenvolvimento da agricultura foi a ruína do homem????????????

SUUUPER VANGUARDISTAS. Só que não.

Além de uma generosa dose de mito, esse “lifestyle” também está chafurdado em saudosismo e no princípio do “Bom Selvagem” (Jean-Jacques Rousseau)

LITERATURA também é uma aula na qual gente por demais dormiu, mas é engraçadíssimo notar também que PALEO é uma espécie de “Arcadismo Dietético.

O Arcadismo é um movimento literário que foi representativo na segunda metade do século XVIII. O nome faz referência à Arcádia, região do sul da Grécia que, por sua vez, foi nomeada em referência ao semideus Arcas.

Vou relatar algumas características do Arcadismo, vê se tem SEMELHANÇA:

Mito do Bom Selvagem: oposição entre o “homem natural” e o “homem corrompido” pelo progresso.

Denota a pureza dos nativos da terra.

Busca por uma vida simples, bucólica, minimalista e pastoril.

Resgate dos valores da natureza

Saudosismo do passado perdido

Agora que nós já passamos pela realidade bíblica e a literária, vamos falar da realidade concreta:

A ideia do PARAÍSO PERDIDO é tentadora. Conseguir voltar para lá certamente sanaria todas as nossas mazelas, mas a verdade é que o homem nunca viveu em perfeita harmonia com a natureza.

“Vamos voltar à época quem que o homem vivia até os 30 anos (quando muito!!!), migrava constantemente de caverna em caverna para se preservar das baixas temperaturas, podia morrer devorado por feras [[ou por causa de um corte no dedo]] e ainda não havia inventado nem a roda …Porque tudo isso era lindo e evolutivamente perfeito.

B*tch, please.

Não tem NADA de bucólico no Período Paleolítico. O negócio era pedra lascada, vida lascada!!!

(Desculpe, você está baseando a sua dieta inteiramente no que pessoas muito estúpidas para inventar a roda comiam)

Retomo o que eu disse ali em cima: devemos o nosso progresso à agricultura.

Foi a partir da Revolução Neolítica que o homem se tornou sedentário e começou a ocupar território, porque a fixação se tornou possível. O domínio do cultivo das sementes foi um fator decisivo para a evolução da humanidade e a construção do mundo como o conhecemos.

O ARROZ é a base da alimentação na Ásia.
O TRIGO é a base da alimentação na Europa.
O MILHO é a base da alimentação na América.

Isso foi bom? Foi ruim?

O que teria acontecido se o homem nunca houvesse aprendido a plantar?

Não temos como saber!!!!!! Mas foi assim. E não tem volta.

Então percebam, queridos, que hoje vocês têm a oportunidade de estar aqui na NET demonizando os MALDITOS CEREAIS unicamente por causa do cultivo desses mesmos MALDITOS CEREAIS que alimentaram [e alimentam] boa parte da humanidade e favoreceram a expansão da nossa espécie.

Quem “nos trouxe aqui” foi CAIM. Não foi ABEL. Lidem com isso.

Continuando…

Existe uma gritante diferença entre “viver como um neandertal” e “optar por viver como um neandertal”. Preste atenção no seguinte relato de Mark Sisson, o guru do “estilo primitivo”:

mao

  1. MITO DO PARAÍSO PERDIDO DETECTED: Mark Sisson simplesmente presume que lidar com uma mão quebrada milhões de anos antes de Cristo era “bom”
  2. Mark Sisson ~aborda as situações~ de maneira primitiva ao mesmo tempo em que consome um prato gourmet de salmão com ervas, preparado por mãos devidamente higienizadas de um subalterno.
  3. SE DER RUIM essa alternativa primitiva, basta correr para OS MELHORES hospitais da costa da Califórnia e recorrer aos MELHORES ortopedistas.

Ser “paleo” é consumir a gordura de um animal que ninguém testemunhou ser abatido.

Ser “paleo” é brincar de homem primitivo, mas se dar ao luxo de um “dia do lixo” vez ou outra, transitando entre o rudimento do selvagem e o conforto do contemporâneo – alternativa que os nossos ancestrais evidentemente não tinham.

Ser “paleo” é conectar com a nossa necessidade primal de movimento – seguindo as orientações técnicas do personal trainer.

Ser “paleo” é celebrar a pureza do homem selvagem enquanto bebe fartos goles de uma coqueteleira de Whey Protein – porque é um suplemento alimento PALEO o suficiente para entrar na lista de substituições.

Ser “paleo” é encher a boca para falar sobre cetose, jejuns e “picos de insulina”, sem ter a mais vaga NOÇÃO do que aconteceu em cada Período da História e POR QUE o homem come pão há mais de 6 mil anos.

Portanto afirmo sem pudores que isso é uma GRANDE ASNEIRA!!!!!!!!!!!!!!!!!

Desapeguem de ficar analisando apenas o que acontece dentro do corpo. Olhem para fora!

Atualmente são milhares de pessoas acreditando cegamente numa teoria quimérica esdrúxula que pincela MITO e SAUDOSISMO com ciência!

A Dieta Paleo não é muito diferente da dieta de Atkins ou outras propostas semelhantes de cortar carboidratos. O PULO DO GATO de Mark Sisson foi apelar para o desamparo, o medo de doenças, nosso gosto por teorias da conspiração e às saudades de um tempo idílico.

MAIS UM argumento ardiloso de Mark Sisson:

problema

(~O PROBLEMA~ COM AS PESSOAS É QUE SOMOS ESPERTOS!!!!!!!!!!!!)

Mark está argumentando que: o homem inventa de comer “de tudo”, e isso é um problema porque afasta-o da maneira que foi ~evolutivamente projetado~ para comer (leia-se: caçar e colher frutinhas).

Só tem um problema: A ENGENHOSIDADE HUMANA NÃO É UM PROBLEMA!!!! É uma vantagem. 

Vou dar um exemplo: sabem como os Hunos consolidaram o seu Império pelos estepes de toda a Ásia Central?

Vivendo à base de carne de cavalo, mas principalmente, de leite de égua.

Mas os Hunos eram seminômades equestres. Pensa comigo: não seria uma boa ideia comer todos os cavalos porque isso os impediria de seguir adiante na sua ocupação. Então qual foi a solução?

R: Eles furavam uma veia do pescoço dos cavalos, e estancavam a ferida para mantê-lo vivo enquanto avançavam. Na hora da refeição, abriam o ferimento, misturavam leite de égua com sangue e bebiam.

Porque o homem avança? Por que o homem resiste? Por que o homem se adapta em praticamente qualquer canto do mundo?

… Por causa do tal do “problema” que foi ter aprendido a comer de tudo.

(Essas informações podem ser encontradas no livro “História da Alimentação”, de Jean Louis Flandrin e Massimo Montanari – é uma leitura muito mais enriquecedora do que Best Sellers RIDÍCULOS sobre os horrores do glúten)

piteco

Nunca tivemos maior expectativa de vida, a mortalidade infantil diminuiu sensivelmente, temos alternativas de tratamento de ponta para as mais diversas doenças que anteriormente eram incuráveis (antibióticos, vacinas, cirurgias, medicações, quimio e radioterapia…), conseguimos sanar endemias de carências nutricionais gravíssimas. Boa parte de nós tem acesso à água encanada, energia elétrica, abrigo, vestimenta, gás natural… e até WI-FI, for god’s sake!

O homem ocidental está muito bem instalado, confortável e saudável.

E a Pré-História NÃO ERA melhor.

Só que a vida não é perfeita e o sofrimento faz e sempre fará parte das nossas vidas. Diante disso, é um alento se jogar na hipótese do paraíso perdido e tentar retornar ao tempo em que não havíamos sido corrompidos e a Natureza (com n maiúsculo) nos protegia.

“Se comermos como um Bom Selvagem que não sofria, também não sofreremos.”

Os nossos ancestrais de fato não eram acometidos de câncer ou Mal de Alzheimer… mas acontece que eles NÃO VIVIAM o bastante para ter essas doenças.

Alegar que os homens primitivos estavam ótimos é um argumento irrefutável porque não temos como perguntar a um homem primitivo se ele achava a vida ótima. Por isso o fenômeno PALEO cresceu exponencialmente fundamentado em MITO – quem irá desmenti-los?

(“Maravilhosa a vida, melhor não fica!!”)

Mas a força de um determinado “estilo de vida” também reside no fato dele ter características sectárias (como mencionei no início do texto)

Você acha que uma seita é sempre algum tipo de movimento religioso excêntrico que culmina em suicídio coletivo?

Não necessariamente.

Uma seita é um grupo de pessoas que manifestam forte devoção a uma pessoa, uma ideologia, um movimento e/ou um conjunto de princípios propostos por um líder/fundador** (que é considerado detentor da “verdade”).

Membros de seitas seguem crenças e cultivam hábitos considerados destoantes da maioria. Se sentem “eleitos”, “iluminados”, conhecedores da ÚNICA VERDADE. Interpretam o mundo como “nós e eles”. São fortemente praticantes do proselitismo.

Preferem socializar somente entre os membros do grupo que compartilham das mesmas crenças e práticas diárias típicas. O severo afastamento do estilo de vida que o indivíduo levava antes muitas vezes prejudica as relações interpessoais e a estrutura familiar 

**vou NEM FALAR do “Blog do Doutor XXXXX “, fenômeno brasileiro.

Você já observou isso no comportamento de distribuidores independentes de uma certa marca de shake emagrecedor? E nas consultoras de uma certa marca de maquiagem? E nos seguidores de certas DIETAS?

Pois é… seita.

E é por isso que boa parte das pessoas (minhas colegas que são excelentes profissionais, por exemplo…) têm medo de mexer nesse vespeiro!!

Quase finalizando! – Eu avisei que era TEXTÃO! –

O Mito do Paraíso Perdido combinado com pseudo-ciência maniqueísta (“os governos” e “as indústrias” são instituições do mal que querem nos escravizar…) cria as condições perfeitas para acharmos um bode expiatório para TODOS os nossos problemas:

Estamos cada vez mais gordos, deprimidos e doentes porque a sociedade come muito carboidrato. Malditos agricultores!!!

Obs: a sociedade ocidental atualmente consome carboidratos demais na sua dieta? De fato, mas isso é OUTRA HISTÓRIA! Só que é muito melhor acreditar que temos apenas UM PROBLEMA no mundo para ser resolvido (restringir carboidratos).

No entanto, a realidade não é preto-e-branco. Existem muitas questões complexas e interligadas que levam às nossas crises. A vida não é um desenho do Scooby-Doo, onde basta descobrir quem é o vilão e tudo ficará bem.

Partir do princípio que:

  1. O governo é mau e as autoridades são más.
  2. O governo mau recomenda que os carboidratos representem entre 50 e 60% da dieta e moderação no consumo de gorduras saturadas.
  3. Já que o governo é mau, a escolha do CIDADÃO CONSCIENTE deve ser fazer exatamente o contrário da recomendação: consumir mais gorduras e restringir carboidratos – porque esta é a dieta ideal: A VERDADE QUE NÃO QUEREM QUE VOCÊ SAIBA.

…Também é uma falácia. Porque fazer o oposto da orientação-padrão não significa obrigatoriamente um BOM CAMINHO.

O hype da “ciência” é apenas uma camada de verniz em cima da verdadeira questão: saudosismo e mito.

É por isso que a dieta paleo e o seu inquestionável “lifestylevirou uma febre.


(CIÊNCIA SENHOR BRANCO)

Esse jeito de viver TÃO CONTEMPORÂNEO e TÃO SECULAR nada mais é do que a eterna busca pela fonte da juventude, a fragilidade diante da efemeridade da vida, o medo da morte e o sonho do paraíso perdido: o Éden do qual fomos expulsos em decorrência do pecado original e nossa natureza corrompida.

Corrigir nossos hábitos alimentares degenerados é corrigir nossa mácula: a marca de Caim.

Fim do texto.

Mas olha, se você é um fiel seguidor do estilo de vida PALEO, ficou indignado e quer pular no meu pescoço… não leve a mal!!!! Hoje eu comi um pão francês com margarina e uma trufa de algodão doce que eu ganhei do meu namorado – ME CAUSOU DEMÊNCIA!!


Liga não gente!!! Eu só falei essas coisas estranhas porque eu estou FRITA DE CAJUZINHO.

PS: Os comentários blablablaPALEOblablabla serão sumariamente apagados SIM. Por motivos de meu blog, minhas regras. 

Anúncios

26 ideias sobre “O PARAÍSO PERDIDO

Os comentários estão desativados.