Nota do NSE.

Fui marcada algumas vezes no post da página “Ginecologista Sincera”, no qual ela diz que defende a restrição de carboidratos para a maioria das pessoas.

restringir-cho

Então eu também tenho que ser sincera. Começo dizendo que:
Um dos maiores equívocos que existem quando se fala sobre alimentação é: esquecer que o homem é um ser biopsicossocial e então falar sobre “dieta” de um jeito utilitarista e pragmático sem considerar preferências, prazer, bem estar mental e emocional, tradição e cultura.
Dito isso, passo para a minha opinião (porque foi solicitada) sobre “restringir carboidratos para a maioria das pessoas”:

Sobre o conteúdo da Página “Autoridade Fitness” (diante dessa ~autoridade~ eu sou insubordinada e nunca paguei imposto)… CADA VÍDEO rende um textão, porque eu sou uma pessoa muito prolixa e não consigo me contentar com informação mastigada dentro de 3 ou 4 minutos. Mas não falemos disso.

A postagem deles começa com a expressão “ESTUDOS COMPROVAM” [que a microbiota intestinal influencia na vontade de comer doce]

Só que Estudos não COMPROVAM. Estudos apontam. Estudos sugerem. Estudos indicam.

As controvérsias (como a própria ginecologista mencionou) não acontecem porque as verdades científicas mudam o tempo inteiro. Mas sim porque NÃO EXISTE CONSENSO a respeito de quase nenhuma especulação no âmbito da saúde-alimentação.

Escrever que o seu argumento é COMPROVADO é uma maneira apelativa de interpretar ciência para forçar os dados dentro da hipótese que você prefere que seja verdadeira. E é uma ideia ÓTIMA culpar nossa vontade de comer [os ~~terríveis~~] doces em bichinhos invisíveis.

Além disso, a informação foi retirada de um estudo (UM!!!!!!!!!!!!) realizado em 2012 pelo Instituto Nestlé de Saúde e Ciência.

Pois então sobre “restringir carboidrato para a maioria das pessoas”OI??
Dica linda para levar para a vida: RESTRIÇÃO e ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL não caminham juntos! A não ser que exista alguma condição de saúde que justifique a exclusão de algum tipo de nutriente. Coletividades sadias não precisam “restringir” coisa alguma.
*Pausa para disclaimer*

Tô defendendo uma anarquia alimentar e um comer desequilibrado e desenfreado?
É CLARO QUE NÃO!

(Citação de Sophie Deram – restringir qualquer coisa na sua alimentação é uma PÉSSIMA ideia)

Os carboidratos são uma importante fonte de energia para o organismo, e mesmo que as correntes alternativas e os best sellers esperneiem alegando que carboidrato é “veneno”/é vilão/é culpado-de-todos-os-problemas-do-mundo… eu reitero que o corpo tem predileção por GLICOSE como fonte de energia. Principalmente o cérebro.

Pessoas que tentam “cortar carboidrato”, têm dor de cabeça, mau humor, letargia, fraqueza, tontura e pensamentos obsessivos sobre comida. Aposto que BOA PARTE dos leitores podem dar testemunho a respeito disso.

Após um período de tentativa a pessoa cai num TREMENDO episódio de compulsão e come até as paredes…

*essa é a parte que a gente diz que a culpa é DELA porque não teve “força de vontade”*
Nem as pessoas com diabetes tipo I precisam fazer isso!! O método de contagem de carboidratos permite flexibilidade na dieta e todos os tipos de carboidratos PODEM SIM estar presentes na alimentação.

QUANDO RESTRINGIR?
Pessoas que têm doença celíaca (eu não disse “pessoas que leram ‘barriga de trigo'”. Eu disse: “pessoas que têm DOENÇA CELÍACA) precisam cortar os cereais que contêm glúten. Mas podem comer outros tipos de carboidratos sem o menor problema!!

No caso da epilepsia refratária, que é uma condição que não responde a nenhuma alternativa de tratamento farmacológico, a dieta cetogênica (90% gordura) pode levar a resultados positivos na redução da frequência das crises.

Condições de saúde muito específicas, que devem ser avaliadas individualmente.

Portanto: cortar carboidrato é indicado para a MINORIA, não maioria!!!
Outra coisa: acho que o discurso biomédico não está percebendo, mas estamos fazendo EXATAMENTE A MESMA COISA que foi feita em relação ao colesterol nas décadas de 80-90: demonizando um grupo alimentar como se fosse a causa de todas as doenças crônicas (e do excesso de peso).

Sabem por que o consumo de carboidratos aumentou horrores na dieta ocidental?
R: Porque a gordura foi classificada como O Mal Na Terra há 20 anos.
E o que fazer diante disso?

R: Correr em círculos porque agora “a culpa é dos carboidratos”

“Nutricionistas, o que acharam?”

Só vou dizer uma coisa: existe um motivo para eu não estar na internet falando sobre GINECOLOGIA. O motivo é: eu não domino esse assunto.

Anúncios

8 ideias sobre “Nota do NSE.

  1. Carolina Nunes

    Eu tenho síndrome do intestino irritado, e as crises aparecem quando consumo gordura em excesso….
    Então eu, por conta própria, acabei cortando mais ou menos pela metade as gorduras da minha dieta. To tendo que tomar suplemento de vitamina D, mas, as crises pararam….
    É realmente complicado. Como eu sei que não tenho mais comido fritura, eventualmente me vem uma crise de compulsão, e eu como até vomitar. Só que, se eu como fritura uma ou duas vezes na semana como fazia antes, vou ter desinteira e dores abdominais horríveis uma ou duas vezes na semana 😦

  2. sheila

    O lá amei o o texto.eu sou leiga e estou seguindo uma alimentação com diminuição de carboidratos refinados , mas não restrição. Espero estar no caminho certo.

  3. Victória

    Amei o seu texto! Eu, por exemplo, faço uma dieta com CONTROLE (não restrição) de carboidratos e açúcar, mas apenas porque o MEU GINECOLOGISTA (após alguns exames) me pediu para procurar um NUTRICIONISTA para equilibrar minha ingestão desses elementos, devido à minha tendência à candidíase. Não tem que ser por modinha. Tem que ser por saúde, acima de tudo 🙂

Os comentários estão desativados.