Essa foto não é um convite.

Foto e depoimento enviados pela leitora Samira Leonor de Jesus:

Samira
Gorda, careca e portadora (em tratamento) de Transtorno de Ansiedade Generalizada,Depressão e Automutilação.

Não, essa foto não é um “convite”. Essa foto representa a minha resistência.

É sobreviver a cada dia de preconceito, invisibilidade,desprezo disfarçados de “Vamos ser amigos” quando eu demonstro interesse por alguém.

É sobreviver à dificuldade em se vestir.

É sobreviver à insegurança,vergonha,medo na primeira vez com alguém novo.

É sobreviver aos comentários degradantes.

É sobreviver aos questionamentos hostis.

É sobreviver aos olhares de decepção quando alguém me conhece pessoalmente.
(Fotos são fotos).

É sobreviver ao afastamento e desinteresse quando conto sobre meus transtornos.

É sobreviver quando estou com alguém que diz gostar de mim,mas vira e mexe…”Você deve ficar linda com cabelo”,”Deixa crescer? Morro de vontade de te ver com cabelo”

É sobreviver ao “To fora!” disfarçado de “Isso é falta de Deus”,”Tenha Fé”,”Você vai superar”,”Você é forte”…de pessoas que não tem sequer a capacidade de ir lá no Google e ler sobre os Transtornos antes de abrir a boca achando que é tudo muito simples assim; é só ter Fé e ser forte que “Boom!” estamos todos curados.

Fé,força é essencial. Mas ter alguém que acima de tudo entenda o que se passa e esteja ali do teu lado nos momentos de Crises,sem arregar…é outra história.Faz um bem danado.

Ultimamente dispenso palavras,principalmente de quem acha que estou com um Resfriado que já,já passa.

É sobreviver aos “Porque você não malha, reeduca sua alimentação?’ disfarçados de “É pela sua saúde…”,”Se cuidar é bom…”

Se peso fosse sinônimo de saúde, anoréxicas e bulímicas seriam saudáveis.

Ser gorda não é sinônimo de doença ou relaxo,eu tenho uma prateleira abarrotada de cosméticos, adoro me besuntar de hidratantes, óleos,perfumes e cuido da minha saúde melhor do que muita moradora de academia por aí.

“Já é gorda,ainda raspa a cabeça…”

Não malho porque não me interesso, visto, como o que me der vontade e uso meu cabelo como eu gostar.

Eu faço apenas o que EU quiser e se a pessoa não gostar de mim como sou,simplesmente vou procurar quem goste.

E não,não é porque sou como sou que devo “me pôr no meu lugar”. Eu já estou nele.

Meu lugar é no lugar de qualquer outra mulher: magra, maromba, fitness, obesa, com ou sem cabelos, branca, negra, alta, baixa, com ou sem transtornos…

Não sou melhor nem pior, menos ou mais.

Confesso que levei anos pra assumir essa postura e como qualquer mulher também tenho minhas inseguranças, ninguém é 100% segura.

Porém,aprendi a visar o meu prazer em primeiro lugar, aprendi a priorizar as minhas preferências, gostos e vontades, a querer sempre o melhor pra mim e não aceitar menos por ser gorda ou qualquer outra coisa.

Estou solteira justamente por isso: não aceito pouco como as pessoas pensam que eu deveria aceitar…Já me disseram que devo mudar minha postura por não ter “atributos” para ser tão exigente.

Não me considero exigente. Me considero uma mulher com desejos e limites próprios como qualquer outra.

A questão é as pessoas pensarem que certas mulheres devem baixar a bola por não serem uma Barbie ou uma “Panicat”.

Me liberto a cada dia e aprendi a usar meu corpo sem medo do que os outros vão pensar ou falar.

Meu corpo é minha maior forma de expressão:eu vou contra os padrões e estereótipos impostos e glamourizados pela sociedade, eu nunca quis ser igual.

Meu corpo é minha arma e meu escudo e eu guerrilho a todo e cada amanhecer e jamais irei recuar. A não ser que eu esteja morta.

“I’m fucking crazy…But I’m free”

#NoFilter #PlusSize #EXG #Manequim52

Samira.

Anúncios

2 ideias sobre “Essa foto não é um convite.

  1. Fátima

    Você está tratando do que te incomoda. Isso que importa. No seu corpo, no seu cabelo, na sua atitude manda você. Parabéns pela atitude.

Os comentários estão desativados.