“Ela é GORDINHA, mas é MINHA.”

Por experiência, pressinto que irão começar a me mandar essa musiquinha da “Gordinha” (Cesar Menotti e Fabiano), que foi publicada ontem, dia 4 de julho:

 

Então fica o posicionamento do NSE logo de uma vez:
Bombardeio de lixo.
1) “ela tá fora do padrão QUE VOCÊ QUER” = exigências de omi em cima do corpo feminino.
2) “Mas eu gosto dela ASSIM” = “assim”, né?… com um defeito ~gorda~
3) “Ela não faz seu ~tipo de mulher~ = Tem vários TIPOS de mulher. Escolha num catálogo.
4)“Mas é fora do normal pra mim” = o NORMAL é que a mulher seja magra, mas essa ~gordinha~ me faz feliz então faço um trocadilho raso com isso.
5) “Ela não anda, ela não malha, ela não corre…” = gordas são obrigatoriamente sedentárias.
6) “Mas ela se cuida como ela pode” = até que ela se sai bem, para uma ~GORDA~
7) “Não quer saber de malhação, ela tá linda” = ela tá LINDA, portanto não quer saber de malhação porque o objetivo de “malhar” é estético.
8) “Vai comigo pro buteco, mas não vai pra academia” = o omi vai pro buteco porque ele, ao contrário das MULHERES, não precisa se preocupar com academia. A ~gordinha~ é um ponto fora da curva porque ela não está na academia.
ELE vai pro “buteco” e tá tudo certo. Mas escreve uma música falando mil asneiras sobre o corpo da gordinha. 
9) “Ela é gordinha mas é MINHA” = eufemismo desnecessário + omi possessivo.
10) “NÃO TROCO POR NADA” = para trocar a sua gordinha, ligue para o SAC.
11) “Tem gente querendo” = demais omis na balada, invejem o MEU artefato.
12) “Olha que sucesso tá fazendo minha gordinha” = o POODLE que eu inscrevi num concurso de pedigree esses dias também fez SUCESSO.

 

A música segue com:
“#Gordinha” + bombardeio de lixo novamente.
Então é isso.

 

Agora vamos tacar fogo nessa música e lançar as cinzas ao vento, em memória de todas as gordas que foram objetificadas nessa letra escrita por alguém com sérias limitações cognitivas.

 

Anúncios

5 ideias sobre ““Ela é GORDINHA, mas é MINHA.”

  1. Pingback: Entenda porque a música Gordinha é uma boa ideia mal executada

  2. Cecília Queiroz

    Quando somos adolescentes nem sempre percebemos o quão problemático é o machismo em nossas vidas, somos fãs de cantores babacas, achamos eles maravilhosos, ai quando você cresce e vai ler as letras das músicas, você fica indignada: como não viu isso antes?

    Olha essa letra:
    Eu rondo a tua casa
    Ando por teu caminho
    Estou te vigiando
    Eu quero o teu carinho

    Mas você não me percebe
    Eu te quero
    Quando penso em você me desespero
    Mas você não me percebe
    Eu te quero
    Quando penso em você me desespero
    O quanto eu te quero

    Chamei pelo seu nome
    Você não disse nada
    Segui todos os seus passos
    Você se foi pela madrugada

    Mas você não me percebe
    Eu te quero
    Quando penso em você me desespero
    Mas você não me percebe
    Eu te quero
    Quando penso em você me desespero
    O quanto eu te quero

    Procuro um jeito de me explicar
    Falar com meu amor prá vc se ligar
    Diga que me entende
    Que adora o meu carinho
    Diga que me ama
    Me abraça então, seremos felizes

    Mas você não me percebe
    Eu te quero
    Quando penso em você me desespero
    Mas você não me percebe
    Eu te quero
    Quando penso em você me desespero
    O quanto eu te quero

    Basicamente o cara te persegue, te vigia, inclusive de madrugada e não aceita que você não queira ele como ele te quer e ainda pede compreensão, pois isso na visão dele é amor. rs

    Estou louca ou realmente se olharmos com mais atenção, um cara agindo assim na vida real, seria um stalker, um perigo para essa mulher? Como eu podia achar esse tipo de letra romântica?! E tem várias letras nesse estilo, tudo camuflado de “amor”…

  3. Pingback: Mídia: um pilar da gordofobia | A Coisa Toda

  4. Pingback: A música da “Gordinha” – Gordas Empoderadas

Os comentários estão desativados.