“Se mata.”

Recentemente publiquei um texto no site Think Olga sobre características da cultura de “ser saudável”

A grosso modo, eu escrevi sobre como o mero e simples “ser magra” (uma demanda quase que exclusivamente feminina. Valia TUDO. Jejuns, tabagismo, uso de cocaína/anfetaminas, consumo abusivo de café preto e refrigerantes diet…) que imperou nas décadas de 80, 90 e começo dos anos 2000… Foi dando lugar à um discurso de saúde. SER SAUDÁVEL atualmente é um conceito muito valorizado e as condutas adotadas pelas pessoas para atingir o patamar de ‘saúde’ plena na vida não são mentalmente, psicologicamente, socialmente, e muitas vezes, fisicamente saudáveis.

Estamos tendo um entendimento muito errôneo do que verdadeiramente significa ter saúde.

… O argumento era esse.

academia

(Deu pra entender?)

E ao longo do texto eu cometi um erro.

Valha-me Deus!

Eu confundi “dieta paleo” com “dieta Dukan

Eu conheço perfeitamente o que é uma dieta cetogênica. Ela foi inicialmente elaborada para tratar crianças e adolescentes (e em alguns casos, adultos) com epilepsia refratária.

O que acontece na dieta Dukan:

[leia se quiser, os parágrafos a seguir são 100% técnicos]

Nas primeiras etapas do programa a pessoa deve cortar completamente alguns grupos alimentares da deita. Carboidratos e gorduras são eliminados de maneira radical.

A fonte de energia primordial para o organismo nas primeiras semanas da dieta são as proteínas.

(EU: não recomendo “cortar” grupos de alimentos da dieta abruptamente. Acredito que todos os grupos alimentares são importantes. Não creio em DIETAS, porque isso não é uma genuína modificação de estilo de vida. São normas que são seguidas temporariamente – ao longo do tempo que o paciente conseguir tolerar – e depois disso ocorre o reganho do peso perdido)

A principal fonte de energia para as nossas células é a glicose, proveniente dos carboidratos. Num cenário metabólico sem carboidratos, o organismo utiliza um mecanismo alternativo para obter energia: são os corpos cetônicos (substâncias ácidas) produzidos a partir da quebra dos estoques de gordura em ácido graxo.

A dieta Dukan é, portanto, uma dieta cetogênica, e boa parte dos seus efeitos colaterais vêm deste estado de cetose. O nosso cérebro tem predileção por glicose. Usar proteínas como fonte de energia pode causar dor de cabeça, mau humor e letargia.

(recebo diversos relatos de pessoas que seguiram dietas de proteínas – Atkins, Dukan e afins – e se sentiram muito mal)

[fim da explicação técnica]

Não vou começar a falar de Dieta Paleo. Meu foco não é esse… Não vou discorrer a minha opinião sobre isso porque eu não quero ser assassinada. Se você quiser saber mais sobre o assunto, algumas buscas no Google e em livrarias resolvem a questão. Mas no fim das contas, trata-se… de uma Dieta.

(é um estilo de vida! Vai estudar! Não consumir “venenos” é uma questão política! Você defende a indústria de alimentos! LIXO de nutricionista recomendando Fast Food! Você é uma vaca, um desserviço social! Você glorifica a obesidade, a obesidade é DOENÇA!)

TÁ. TÁ. TÁ. TÁ. TÁ.

O meu ponto é que: eu troquei uma palavra pela outra.

Tenho uma página grande no Facebook e quando eu cometo um erro de digitação, me confundo ou publico conteúdo “Fake” que tomo por verdadeiro (primeiro: porque a quantidade de lixo “motivacional”/gordofóbico/terrorista na internet é muito grande e parece verídico. Segundo: porque eu não tenho total conhecimento de todos os perfis fakes que existem na net)… Não há misericórdia.

O que eu acho verdadeiramente interessante é a histeria coletiva causada por um erro cometido. Já passei por isso algumas vezes.

Neste caso específico (minha publicação no Think Olga), eu sofri um achincalhamento sem precedentes.

Claro: quem leu meu texto não sabia que eu tive uma confusão mental (dieta disso, dieta daquilo, dieta bilu, dieta tetéia…Eu não dou muita bola para isso. Confundo mesmo!) e me tomou por ignorante.

Olha, eu REALMENTE não conheço tudo sobre os 300 tipos de dietas e programas alimentares (temporários ou supostamente vitalícios). Não é meu forte e não é meu foco.

(Dietas, Dietas lelelelele ♫ ♬)

Mesmo que eu estivesse de fato errada na minha fala… Argumento três coisas simples que o mundo inteiro esqueceu:

  1. Errar é humano.

  2. Ninguém sabe TUDO.

  3. Não tem como agradar a todos.

Mas o que me motivou a escrever tudo isso aqui foi porque

eu recebi nada menos do que doze mensagens me dizendo: “se mata”.

Fizeram isso comigo e eu não vou relatar os meus sentimentos em relação a isso.

MAS o que eu quero deixar registrado (…e não vai adiantar nada) é que a animosidade na internet está muito grande.

Bullying é tenso, gente. E receber uma dúzia de mensagens dizendo “se mata”, no meu entender, é bullying.

Façam uma breve busca no Youtube sobre bullying e o que isso pode causar.


(SIM: um simples SMS pode ocasionar a morte de alguém)

O que eu acho injusto é que muitas das pessoas que acompanham o NSE não estariam numa condição de tanto sofrimento… Se não tivessem ou não estivessem passando por bullying.

Pessoas diferentes, pessoas gordas, pessoas que, de alguma maneira, não se encaixam nos padrões de comportamento, aparência e traços de personalidade exigidos pela sociedade são tratadas que nem lixo, humilhadas, ridicularizadas, incompreendidas.

Eu sei o que é isso. Eu sempre fui diferente em muitos sentidos. Não foi a primeira vez que eu passei por um linchamento virtual, e não será a última.

Esse tipo de coisa era suficientemente cruel antes da internet e da popularização das redes sociais.

O que vivemos hoje é tão grave, que não encontro uma palavra para nomear o fenômeno.

Intimidade vazada, perfil hackeado, páginas derrubadas, comentários absolutamente odiosos e violentos… Os maldosos da internet não têm um pingo de compaixão.

E não terão só porque eu estou escrevendo isso.

Provavelmente receberei MAIS comentários cruéis.

Eu sei que é infrutífero falar disso, porque pessoas más não deixam de ser más…

Porém vocês não sabem quem está do outro lado. Vocês não sabem o que uma mensagem dizendo “se mata” pode realmente acarretar. Vocês não sabem a quantos passos a pessoa está de cometer suicídio.

Vocês se importam? Não. Eu sei.

Mas eu me importo e eu mantenho o NSE em nome de todas as pessoas que não encontram um lugar no meio dos largos dentes da engrenagem dessa sociedade materialista, superficial, individualista, impiedosa.

Ponto final.

….Não.

Ponto e vírgula, gente. Não acabou.

(“um ponto e vírgula é usado quando o autor poderia ter escolhido terminar sua frase, mas escolheu não terminar. O autor é você e a frase é a sua vida”.)

Anúncios

8 ideias sobre ““Se mata.”

  1. eza (@terezajardim)

    nós nos importamos com você, moça ❤

    não dá pra dizer “ignora”. mas dá pra dizer “não se mate, por favor!!”.

    pra esses doze infelizes certamente cheios de problemas, há milhares que se beneficiam dos teus textos pertinentes, que sabem haver uma pessoa do outro lado do teclado produzindo conteúdo de qualidade com muito amor ao trabalho que faz.

    fica, Paco! (vai ter bolo, rá!!)

  2. Lu Postal

    Tente não ligar. Haters gonna hater. Eu me importo com vc e já li tanta coisa sua que me fez parar de chorar, pq eu achava q eu era culpada de “toda miséria do mundo” simplesmente pq me diziam isso. Como se ser gorda fosse um defeito, um pecado capital. Seu blog, suas palavras tem me ajudado e ver q eu não sou o problema, eu nunca fui o problema. O problema são os outros. Os outros q não me aceitam como eu sou e me julgam. Eu só tenho o q te agradecer e pedir para q vc não desista. Tire um tempo, relaxe, descanse e qdo puder, volte pq vc é MUITO importante. Não só pra mim. OBRIGADA!

Os comentários estão desativados.