Transtorno Alimentar é DOR não digerida.

Escrevo este texto em nome de uma leitora portadora de Transtorno Alimentar, e que me pediu que eu abordasse o sofrimento de quem vive essa doença.

Existe para todos nós uma grande demanda para que sejamos perfeitos, produtivos, sempre satisfeitos. Não está fácil viver. A vida cobra, a vida é corrida e a sociedade contemporânea se encontra muito desajustada e em ampla crise de valores.

Atualmente, muitas pessoas sofrem de ansiedade, depressão, melancolia, sensação de falta de sentido na vida e dores emocionais profundas. Causadas por traumas, carências, frustrações… Necessidades emocionais que não são supridas.

Por este motivo, muitos de nós temos comportamentos obsessivos para “mascarar” ou ter uma ilusão de controle sobre os sentimentos negativos. Jogo, internet, drogas, sexo, bebida e até automutilação em casos mais sérios . Para muitos indivíduos, o escape é a comida. As pessoas “comem” ou rejeitam (na forma de recusa de alimentos ou purgação) tristeza, frustração, mágoa, tédio, medo… Na maioria dos casos de transtorno alimentar, a relação disfuncional com a comida (e com o corpo) revela um sofrimento muito mais profundo do que aquele causado pela doença.

O transtorno não é o problema. É o sintoma.

No nosso país ensolarado, carnavalesco, hospitaleiro e sorridente, as questões de ordem mental (o sofrimento, a depressão, a ansiedade, o pânico, a angústia...) são pedras no sapato.

Ninguém tem paciência. Ninguém quer discutir. Ninguém entende. Ninguém “aguenta”. Ninguém quer ficar perto.

O mundo tá chato”

(Pqp, Pepsi.)

O pessoal quer mais é fazer piada machista, chamar o gordo de sem vergonha, dizer “homossexualismo”, praticar bullying, fazer “fiu-fiu” na rua e xingar na internet

Com tanta gente legal para ir beber com a gente na balada top, vamos dedicar nossa atenção, nosso tempo e nossa simpatia aos emocionalmente adoecidos?

Bah. Que se virem! Mimimi.

Os transtornos alimentares fazem parte desses problemas mal compreendidos.

Tem gente que enxerga a questão de maneira cruel. Tem quem chame de futilidade. Tem gente que acha que é frescura. Tem gente que acha que o portador do transtorno está “romantizando a doença”. Tem quem simplesmente afirma que é uma manobra para chamar a atenção.

E SE FOR para chamar a atenção? É um ato assim tão condenável? Ou na realidade é uma alma clamando por socorro?

Chamar a atenção” é um comportamento que carrega um estigma. É como se a pessoa fosse uma mimada, que só quer plateia.

Bom… talvez ela precise da plateia. Porque a sua dor interior é tão profunda que precisa ser externalizada, comunicada. Ou mesmo vomitada.

A pessoa compulsiva… COME todo o amor, afeto e reconhecimento que não recebeu.

A bulímica… regurgita suas frustrações, medos e todos os sapos que não quis engolir.

A anoréxica… rejeita as experiências do mundo. O medo de ter e depois perder é tão grande, que é melhor se afastar de tudo. Se preservando de tudo, ela se poupa de todas coisas ruins…e também das boas.

O indivíduo vigorexico… anseia por um corpo grande que compense a pequenez do seu amor próprio.

O ortorexico… quer uma vida limpa e sem mácula porque está intoxicado de angústia e decepção.

Temos o direito de opinar, ridicularizar, menosprezar e/ou julgar?

Atire a primeira pedra quem nunca quis comer todo o amor do mundo antes que ele acabasse. Quem nunca desejou vomitar todos os maltratos que recebeu de uma pessoa incompreensiva. Quem não quis se ausentar do mundo para nunca mais se machucar. Quem nunca fingiu ser um poço de coragem, quando na verdade estava em frangalhos por dentro. Quem nunca quis desesperadamente evitar um câncer emocional que faz metástase e espalha dissabor e lástima por todas as lacunas, vãos e vértices do nosso ser…

Devemos reconhecer e respeitar o portador de TA. Transtorno alimentar não é “frescura”, nem brincadeira. Não é um capricho, uma birra ou uma extravagância de comportamento. É um profundo adoecimento da mente e do corpo.

O transtorno alimentar normalmente ocorre associado à depressão, pânico, ansiedade. É um cenário de dor, solidão, sombras que não têm nome.

Você tem que reagir”
“tenha força de vontade”
“pare de fazer onda”
“você tem tudo na vida, deveria ser grato”

São frases fáceis de pronunciar quando você nunca contemplou a face da Desesperança.

Anúncios

14 ideias sobre “Transtorno Alimentar é DOR não digerida.

  1. valeria Almeida

    Parabéns pelo seu trabalho, pelo texto maravilhoso e interesse em ajudar as pessoas que sofrem de algum transtorno. Eu tenho depressão e sofro muito, faço uso de medicamentos terapia e assim vou vivendo. Um abraço e mais uma vez obrigada esse texto me ajudou muito.

  2. Myrna Mazzei

    Aliviada por finalmente alguém entender e diagnosticar tão bem a dor que aflige a muitos como eu. Chorando aqui, me identifiquei completamente. Obrigada.

Os comentários estão desativados.