Representatividade vs. Machismo

O guest-post a seguir foi escrito pela minha amiga Tamara:

Minha queridíssima amiga Paco me convidou para que escrevesse um post para ela, em razão de uma discussão que tivemos sobre algumas coisas que tenho notado.

Quando eu era criança me lembro de gostar de usar adereços malucos, como trapos amarrados na cintura, diversas bugigangas presas nas roupas, um sapato de cada tipo ou uma calça com as pernas arregaçadas. Eu achava meu umbigo engraçado, gostava de brincar de estufar minha barriga, brincava o dia interinho, pulando, andando de bicicleta, subindo em uma árvore, correndo, trepando nos brinquedos do parquinho e mais um monte de coisas.

Eu não sei direito quando, como e porque as coisas mudaram e de repente meu umbigo tinha que ficar escondido, a barriga tinha que ficar murcha e as roupas arrumadinhas. Sei que essa mudança destruiu quem eu era e me limitou a ser uma outra pessoa, menos legal.

Por que estou dizendo isso?

Porque não vejo pessoas lidando naturalmente com seus corpos, como algo que faz parte de sua vida e com a vida de todos, uma coisa que todo mundo tem e que pode realizar uma série de coisas incríveis.

 

pessoas

(Pessoas brincando felizes)

O que vejo (e por muito tempo agi dessa forma acerca do meu corpo) é que as pessoas se escondem e se mostram baseadas no pensamento alheio, como li outro dia, estamos vivendo em terceira pessoa. É evidente e provado que isso acontece loucamente com mais frequência e intensidade entre as meninas, mocinhas, mulheres e velhinhas!

mulheres

(Mulheres bizarras)

Mulheres nunca estão satisfeitas com seus corpos, independente do seu formato! Sempre pode estar mais magro, mais definido, mais “carnudo”, mais bunda, mais peito, mais coxa, menos nariz, mais claro, mais escuro, menos volume, menos frizz, mais volume, mais libido, menos fluxo (pois é, não é só por fora o negócio)

Felizmente, está havendo um fenômeno bacana, principalmente na internet, sobre “aceitação corporal”. Isso é muito bom, muito bonito, vejo muitas mulheres muito mais felizes consigo mesmas, mais confiantes. Eu mesma, preciso confessar que esse fenômeno me ajudou muito (quando eu era adolescente o que tinha eram comunidades no Orkut sobre como comer 500 kcal por dia).

MAS, existe um “pequeno” monstrinho nessa história: o machismo. E na verdade é o machismo a raiz do nosso problema! Toneladas de mulheres têm o desejo de serem mais atraentes, para os queridos homens ou então para despertar a inveja daquela sirigaita (ela é, supostamente, mais bonita). E então, algumas campanhas acabam apelando e alimentando o machismo dizendo o seguinte:

“Homens também gostam de ter onde pegar”

“Você pode ser atraente tendo seu corpinho estranho também, tem uns caras doidos”

“Se você se encaixa nesse pequeno desvio do padrão, talvez alguém queira você”.

Pode ser que minha leitura seja um pouco radical, mas reflita um pouco. Quando é feita uma campanha sobre “beleza real”, me parece inclusive um pouco ofensiva, como se houvesse uma cota de pessoas feinhas (mas não tanto) para que a empresa seja politicamente correta. Por mais politicamente corretos, queridos e fofinhos que possam ser, esses publicitários eles ainda estão exaltando a aparência, o corpo, a “beleza” como a coisa mais importante que possa existir para uma mulher.

machismo

(Este é o machismo)

Queridos, nós não queremos um padrão de beleza 0,5% mais abrangente, nós queremos REPRESENTATIVIDADE. Eu não tô dizendo que é pra colocar “mulheres” reais de calcinha na TV. Eu tô querendo que coloquem “mulheres reais” fazendo coisas reais!  Uma peça publicitária, uma novela, uma apresentação, num encarte, com o foco para as mulheres reais.

Todo-mundo-é-Lindo-700x212

(Esta imagem dispensa legendas)

GENTE! As propagandas de absorvente parecem feitas para homens! E de desodorante feminino, e de lojas de roupas femininas, e de lingerie, e de cremes hidratantes, e de óleos corporais, e de perfume, e de todas as coisas de mulheres. As propagandas de produtos unissex também: mulheres sensualizando com uma cerveja, com um carro, com uma bolacha, com um chocolate.

always

(Esta é uma propaganda de um produto feminino com uma mulher nua. Qual é a necessidade de haver uma mulher nua para me vender absorvente? Como um ser humano vai colocar um absorvente noturno sem pelo menos uma calcinha?PROPAGANDA MACHISTA)

(Esta é uma propaganda de produtos femininos com mulheres semi-nuas. Mulheres brancas e MAGRAS – sem photoshop – me falando sobre beleza real)

(Esta é a capa de uma revista com uma mulher correndo)

Então, REPRESENTATIVIDADE é quando existe uma pessoa comum, com quem você se identifica fazendo uma coisa que qualquer outra poderia fazer sem parecer ridícula, vendendo o produto e não a sua imagem! Na ultima foto poderia ser uma gorda, magra, negra, asiática, homem, velho e criança.

Para terminar, deixo uma das propagandas com mais REPRESENTATIVIDADE que eu já vi, com o foco no lugar certo:

Um grande Beijo a todos os leitores do NSE, Tamara.

SIM, Tamara!

Nós queremos representatividade. Somos mulheres com múltiplos talentos, personalidade, preferências e desejos. Somos capazes de muito mais do que sermos olhadas pelos outros (ou melhor, pelos homens). Não queremos sensualizar com uma bolacha. Não queremos ser representadas de calcinha (ou nuas) o tempo inteiro, não queremos ser reconhecidas exclusivamente pela nossa beleza, beleza esta que pode até se tornar mais abrangente nos comerciais, mas que não nos define e não nos resume. BELEZA, ~real~ ou não, não deveria ser o foco no momento de representar o feminino.

Não Somos Exposição. Nem enfeite. Nem bibelô. Nem adorno.

Anúncios

4 ideias sobre “Representatividade vs. Machismo

  1. Beatriz

    MEU DEUS!! Expressou de uma forma maravilhosa tudo que penso. Sensacional. Esse é, sem duvidas, o site que eu mais amo na face da terra. Belo trabalho, Paco ❤

  2. Greice

    Gostei muito do post, concordo com quase tudo. Só não concordo (muito) com a crítica à campanha da beleza real, da Dove. Sim, está exaltando a beleza, ainda que as belezas diferentes, mas refere-se a uma empresa de produtos que vendem beleza e estética, não teriam como fugir disso, nesse caso específico achei a campanha coerente.
    bjs!

Os comentários estão desativados.