Eu sou nutricionista e eu engordei.

Eu sou nutricionista. E eu engordei.

11221892_861621537264081_3482598188826183725_n

É muita pachorra dessa moça que escreve o NSE. Primeiro ela sai por aí dizendo que saúde não é sinônimo de magreza, e nem magreza de beleza… Depois ela diz que imagem não determina valor… Depois ela diz que não faz dietas, e agora está dizendo que é nutricionista e engordou.

Pois é. Venham me pegar com tochas e picaretas.

Vocês já devem ter notado que a vida não está fácil. Ou mais especificamente, que a vida não é fácil. Saiba mais sobre a VIDA aqui.

Por conta de algumas dificuldades pessoais (e da crise dos 25 anos) eu acabei ficando deprimidinha (ou talvez deprimidona) e em decorrência disso, estou tomando uma medicação chamada olanzapina (não sei se código de conduta internacional dos blogueiros permite que a gente fale nomes de medicações…)

Acontece que esse remédio dá fome, muita fome… Você não para de comer nunca, ou melhor, a sensação de saciedade não chega nunca.

Existem mecanismos neuroquímicos específicos para que isso aconteça, mas o meu foco não é esse.

(Olanzapina, é você?)

Não interessa meu peso, não interessa meu IMC, não interessa o número do meu manequim. Não vou passar meus dados antropométricos porque não vem ao caso. O fato é: eu engordei por causa de um medicamento antidepressivo.

Mas depois eu consegui manejar a situação (deu tudo certo!!) e agora eu vou contar um pouco sobre a minha experiência

Como lidar?

Vou explicar como lidei com essa reação adversa do medicamento [segundo o meu médico, não é uma questão de “falta de controle” … O que acontece é como uma dermatite atópica, só que no cérebro: o apetite aumenta mesmo – me perdoem se eu disse alguma bobagem, foi assim que ele me explicou] porque infelizmente tem muita gente sofrendo de depressão e quem sabe alguém também esteja passando pela mesma experiência com esses medicamentos atrevidos.

Engordei, e agora?

Bom, é um esquema corporal diferente do que eu sempre tive, então é uma situação nova para a gente se acostumar. Um pouquinho mais de gordura pelo corpo. E é isso. Não significa que é feio, nem que você cometeu um erro.Ou uma prova de indisciplina. Nem um atestado de fracasso pessoal. Se não ocorrerem alterações importantes nos exames bioquímicos, então Ok… o corpo mudou, não precisamos desesperar por causa disso. Se necessário, precisaremos, sim, de roupas novas. Mas mantenha a calma, após um estranhamento inicial, tudo estará sob controle. Após um período de adaptação é esperado que o peso corporal normalize.

Devo fazer uma dieta?

Nosso corpo acumula gordura como proteção. Fazer restrição alimentar aumenta o apetite e diminui o metabolismo (o organismo interpreta como um período de privação). Dietas podem acarretar crises de compulsão e acabamos comendo mais do que comeríamos. Como se diz, restrição gera compulsão. Sem falar que o cérebro JÁ está confuso por causa da reação adversa causada pela medicação… A vida já tem stress o suficiente sem que a gente esteja seguindo uma maldita dieta.

Riot

Quando parar de comer?

Essa é a parte mais complicada, mas não é impossível de driblar. Eu sempre estimulo que as pessoas conectem com o corpo e com as sensações de fome e saciedade. Quando parar de comer? Oras, quando você não tem mais fome! Acontece que existem medicamentos, como a olanzapina, que “desligam” o botão da saciedade. Resultado: fome o tempo todo. Aí temos que confiar no bom senso. Qual é o volume de alimento necessário para nutrir o meu corpo? Não adianta focar na sensação corporal, porque vai ser de fome.

É preciso alguns cuidados. Fazendo atividade física (subir escadas e caminhar, por exemplo), comendo comida de qualidade, bebendo bastante líquido e não tentando fazer dieta eu consegui equilibrar o organismo e o ganho de peso estacionou. A sensação de fome permanece, e é chatinha. Mas com consciência corporal podemos entender esse sintoma e trabalhar em nosso favor.

O que as pessoas vão pensar?

Às favas com a opinião das pessoas. Quem está de fora e não conhece minha trajetória e/ou os meus problemas talvez pense que eu sou uma preguiçosa e não tenho vergonha nessa minha cara.Mas cada um sabe onde o calo aperta, ou melhor, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Antes de julgar pelo aspecto físico, deveríamos pensar que existe um mundo que não conhecemos sobre o outro. Perdas, decepções, frustrações, medos... Acontece com todo mundo e talvez a pessoa que está sendo ridicularizada ou menosprezada por ter ganho muito peso repentinamente esteja passando por uma situação ruim, e por isso engordou. Dica: se você não sabe o que aconteceu, não dê palpite.

Mas você é nutricionista!

Sou nutricionista, não sou “pessoa obrigatoriamente magra que passa dietas”. Coisas acontecem comigo. Eu não tenho o corpo perfeito. Eu não tenho a conduta perfeita. Eu não acordo para correr às 6 da manhã diariamente. Eu não tomo Whey Protein comendo crepioca. Eu não vivo de selfies nas redes sociais.Pois é. Eu não sou dessas.

Durante o curso eu aprendi sobre fisiologia,patologia, bioquímica, economia, saúde pública e até algumas noções sobre gestão de restaurantes. Talvez a minha formação tenha me ajudado a entender o efeito colateral do remédio e qual é a melhor maneira de administrar tudo isso… Mas eu não tenho a obrigação de ser magra e ter engordado não afeta minha competência, nem meu grau de conhecimento, nem o meu valor como pessoa.

Então é isso, em resumo:

1) mantenha a calma, você não fez nada de errado
2) foque no tratamento: isso não vai durar para sempre
3) encontre o lado positivo do seu novo corpo, quem sabe agora você possa dançar essa música do Karnak:

(♫♪♫♪♫♪…)

4) deixe os outros fora disso: eles não sabem de nada

5) não tente fazer dietas, isso é autosabotagem

6) faça atividades físicas, coma qualitativamente muito bem e beba muita água.

7) se você está desconfiado de que está ingerindo um montão de comida, provavelmente é mesmo um montão de comida. Melhor parar por aí.

Se você também está passando por uma dificuldade emocional, acredite: você pode vencer esse obstáculo!

Se você já julgou um nutricionista pela aparência, repense: há muito mais do que os nossos olhos contemplam.

E beijos!

Anúncios

10 ideias sobre “Eu sou nutricionista e eu engordei.

  1. Alessandra

    Puxa! Eu ainda não tinha lido esse post. Muito bom, como sempre! Só não vou dizer que concordo com tudo porque eu amo crepioca e como sempre tá? 😂😂😂😂😂😂

  2. Não sou Exposição. Autor do post

    Eu sei que é difícil. Dá vontade de COMER O MUNDO hahaha… Mas procure encarar a situação com lucidez e tentar identificar quando você já está alimentada e está comendo por causa do remédio…. A Olanzapina bagunça um pouco o metabolismo e a sabedoria do corpo =T

  3. Mariana Garcia

    Nossa, adorei demais! Minha parte favorita definitivamente foi: ”Sou nutricionista, não sou “pessoa obrigatoriamente magra que passa dietas”. Coisas acontecem comigo. Eu não tenho o corpo perfeito. Eu não tenho a conduta perfeita. Eu não acordo para correr às 6 da manhã diariamente. Eu não tomo Whey Protein comendo crepioca. Eu não vivo de selfies nas redes sociais.Pois é. Eu não sou dessas.”

    Me identifico muito com o blog, tem me ajudo muito na faculdade ❤

Os comentários estão desativados.