Afinal, comida é droga?

Eu não acompanho os modismos nutricionais de perto, porque é sempre tudo muito dinâmico e confesso que o blablabla de nutrição nos meios de comunicação me dá preguiça. Mas sei que sempre há um livro novo aqui, uma nova dieta ali, um novo “alimento vilão” acolá…

Mas ultimamente tenho recebido o mesmo recado inbox tantas vezes que acho que tá rolando por aí uma nova moda no campo da alimentação. Qual? Dizer que comida é droga.

Não assisto, mas me falaram que uma nutricionista fez essa afirmação no programa “Encontro”, da Fátima Bernardes. Não acompanhei. Acho que se eu resolvesse assistir tudo o que se fala sobre nutrição na TV eu ia acabar doidinha (a pessoa que me escreveu sobre isso também estava doidinha, morrendo de medo de comer, viu dona nutricionista?)

Mas então vamos lá… Comida é droga?

Vejamos, primeiramente, uma definição de “droga”:

dorga

(Fonte: Associação de Apoio Esperança & Vida)

1) A comida não modifica as funções normais de um organismo. Temos vias metabólicas específicas para carboidratos, gorduras, proteínas e a digestão do alimento que ingerimos é um processo NORMAL.

2) Comida não é entorpecente. Ninguém precisa ter cuidado para operar máquinas depois de fazer um lanche, porque a pior das consequências será apenas um pouquinho de sonolência.

3) Ninguém morre de overdose de comida e a pior das consequências é ter uma bela dor de estômago.

4) A abstinência de comida se chama FOME (e tudo indica que somos todos dependentes…)

…e o único tipo de narcotráfico de comida que eu conheço acontece dentro dos SPAS.

Mas então por que gostamos tanto de alimentos com açúcar e gordura?

Porque nós gostamos! Porque são gostosos. É só isso.

O que vicia não é a comida. O que vicia é comer.

De acordo com um estudo conduzido pelo Dr. John Menzies, da Universidade de Edimburgo, as pessoas podem ficar viciadas ao ato de comer propriamente dito, mas não no consumo de alimentos específicos (como chocolate, ou paçoquinha)

A equipe de cientistas não encontrou evidências conclusivas sobre o vício de indivíduos por determinados tipos de comidas.

Isso porque o cérebro responde de maneira diferente aos nutrientes e às drogas como cocaína ou heroína.

E o que verdadeiramente acontece?

As pessoas podem desenvolver uma compulsão psicológica pela comida, encorajada pelos sentimentos positivos que o cérebro associa com a alimentação.

O “vício em comer” é um distúrbio comportamental e tem muito mais relação com o vício em jogo do que com drogadição.

Para tratar a obesidade, é importante atentar para a relação do indivíduo com a comida e tirar o foco do alimento em si.

“As pessoas tentam encontrar explicações racionais para o ganho de peso e é fácil culpar a comida. Algumas pessoas de fato têm um relacionamento semelhante ao vício com alimentos específicos e podem comer demais mesmo sabendo dos riscos à saúde. Mais alternativas de tratamento se abririram se pensássemos sobre essa condição como um vício comportamental, ao invés de um vício em uma substância”

(Dr John Menzies)

O estudo foi publicado na revista Neuroscience & Biobehavioral Reviews.

Meu parecer?

Comida não é droga, comida é alimento. O problema é que podemos desenvolver uma relação desajustada com ela.

As dietas restritivas contribuem (e muito!) para os episódios de compulsão porque colocam nosso cérebro em estado de alerta, como se estivéssemos vivendo um período de privação. A compulsão associada às dietas está fora do nosso controle e não há “força de vontade” no mundo que possa vencer esse processo. Porque o cérebro está no comando. E ele não quer nos deixar passar fome.

O ideal é não estressar o corpo e comer de tudo, e de forma tranquila e moderada, sem passar fome. Mas é também importante ter o autoconhecimento necessário para não comer sem estar sentindo fome, ou seja, consumir além das necessidades do corpo.

É um processo difícil porque estamos desconectados das sensações do nosso corpo e sempre preferimos soluções que vêm de fora, como colocar a culpa no terrível chocolate ou na nefasta paçoquinha.

Mas a comida, definitivamente, não é uma droga. Ela faz bem pro nosso corpo.

Quem não come, morre

Anúncios

2 ideias sobre “Afinal, comida é droga?

Os comentários estão desativados.