FELIZ NATAL!

Novamente chegamos a mais um fim de ano e, consequentemente, mais um Natal.

Eu gosto muito do Natal. Gosto do presépio, gosto das luzes, gosto do clima de esperança e gosto, claro, das comidinhas!

Não vou me estender muito sobre como a perspectiva mercantilizada e hiper-master-consumista transformou o Natal numa coisa de louco também conhecida como “dia de comer e ganhar presente”.

Eu acho que o Natal é tempo de introspecção e, principalmente, da gente se voltar para os bens não materiais que possuímos. Agradecer pelas bênçãos que temos e, ao menos, propor um esforço para termos um coração menos devorador e egoísta daqui pra frente.

Eu acredito em Deus e acredito na mensagem deixada pelo menino que é Rei dos Reis, mas nasceu num estábulo. Mas mesmo que a pessoa não seja cristã (pode ser ateia, da umbanda, do candomblé, hindu, budista, wicca, muçulmana, judia, pode até adorar o grande Bilu...) TALVEZ o mundo esteja precisando de menos smartphones e peruzões anabólicos e um pouco (só um pouquinho!) mais de abstração e espiritualidade.

Espera… “peruzão anabólico”?

Aham.

10849834_1678226055737103_2267513308047829813_n

Parece que a Ceia de Natal, um momento familiar tão tradicional e solene, não escapou da Febre Fitness e agora precisa ser digna dos campeões.

Assim chegamos ao Natal 2014, o do peruzão anabólico. TALVEZ seja este um momento de uma reflexão coletiva sobre: enquanto espécie humana, o que queremos? Eu tenho um amigo que diz que está no aguardo do meteoro que vai se chocar com a Terra, porque não tem mais jeito, não. Às vezes eu concordo com ele, mas tenhamos um pouquinho de esperança.

O que desejamos? Paz, igualdade de direitos, fraternidade, generosidade, partilha, amor… Ou um abdomen definido?

barbie

(E vocês chamam isso de “amizade”?)

E o abdômen definido (ou ‘seco’, seja lá o que isso signifique…), para onde irá nos levar? Seriam os nossos objetivos edificantes?

E se, para 2015, desejássemos coisas menos mesquinhas e menos efêmeras? E se o nosso sonho fosse além do nosso umbigo (literalmente)?

Uma leitora me escreveu contando que o Natal dela, no ano passado, foi “Do Bem” e ela insistiu para a mãe dela preparar a ceia só com os “alimentos top” permitidos pelas blogueiras fitness. O resultado? Neurose, desunião, conflitos… Não aconteceu nada do bem.

Agora, neste ano, ela deixou a obsessão de lado e vai ter um Natal com comidas gostosas e sorvete. E este será o seu desafio de fim de ano.

(Oba! Sorvete!)

Me parece um desafio ótimo e eu fiquei muito feliz 🙂

O relato dela me lembrou de uma pergunta que eu recebo aos montes em época de fim de ano:

– “Como lidar com a Ceia de Natal?”

Vou dar minha resposta objetiva e honesta: Não lida.

Permita-me repetir: Não lida. Só come.

A Ceia de Natal é um banquete iluminado, feliz e cheio de comidas gostosas que acontece uma vez por ano e isso é maravilhoso. Não há nada para LIDAR em torno disso.

O google tem algumas sugestões de situações para a gente lidar, e a ceia de natal não é uma delas:

como lidar

 

Não se apavore. Experimente um pouquinho daquilo que te apetecer. Preste atenção no sabor, na temperatura, na textura dos alimentos. Saboreie, partilhe, festeje, COMA e seja feliz.

“Noite de paz, Noite de amor” ♪… lembra da canção? Pois que seja assim.

Não há necessidade de se privar e nem de comer como se não houvesse amanhã.

Aliás, lembremos que toda a ideia do Natal é celebrar… porque um amanhã.

Há um amanhã sereno e brilhante. E sem peruzão anabólico, obrigada.

Feliz Natal a todos!

Anúncios

5 ideias sobre “FELIZ NATAL!

  1. Iris Pucci

    Você é uma pessoa fantástica! Me enche de alegria e esperança tudo o que você escreve! Tanta clareza, bom senso, carinho, respeito à diversidade! Nunca pare de lutar por esse mundo que queremos ver! Você é muito especial!!

  2. Carina

    Paco, que vc tenha um Natal feliz e abençoado! Vc é uma menina genial viu! Obrigada por me ajudar muito através do NSE em 2014 e que em 2015 vc continue a brilhar beijos

Os comentários estão desativados.