História de Paula

Este é o depoimento da leitora Paula Haussen, sobre sua experiência com a cirurgia bariátrica, entre outras questões:

Paula

 

“Meu nome é Paula, tenho  22 anos e moro em Porto Alegre/RS.

Vim contar um pouquinho da minha história e acima de tudo agradecer por todo apoio e incentivo que encontro no Blog. O mundo precisa de mais pessoas ‘reais’ assim.

Vim aqui contar um pouquinho da minha longa jornada com peso.  Desde pequena fui cercada pelos assuntos ‘dieta’, ‘boletas’, ‘balança’, ‘vigilantes do peso’, entre outros. Minha mãe e tias eram alucinadas por tudo que envolvesse o assunto, e consequentemente eu e minha irmã absorvíamos tudo aquilo.

Comecei a ganhar um pouco mais de peso ainda na infância, o que virou um tormento, pois nem a escola eu queria ir mais devido às piadas de colegas e até amigas. Isso tudo se tornava um ciclo, pois ao mesmo tempo em que sofria por não me encaixar nos ‘’padrões’’ a comida era meu momento de satisfação e a cada endocrinologista/nutricionista que a minha mãe me levava eu me sentia punida por ser gorda e consequentemente não poder comer os alimento que gostava.

Isso seguiu durante a minha infância e adolescência, até que com 14 para 15 anos comecei a notar que tinha grande facilidade para vomitar e consequentemente desenvolvi um quadro bastante severo de bulimia, onde eu vomitava até água. Porém sabemos que isso está atrelado à compulsão, pois vomitava para poder comer sem culpa. Alguns meses se passaram até que minha família começou a observar que aquilo não era normal.

Comecei um tratamento então com nutricionista/endócrino/psiquiatra. O tratamento funcionou, eu parei de vomitar, porém nunca nem por um segundo aceitei o corpo que tinha, sentia culpa e vergonha por não ter essa atitude e ‘vergonha na cara’ necessária para perder peso (isso que ainda não existia facebook, instragram e blogs). Segui minha adolescência ganhando bastante peso, até que comecei a sentir dores muito fortes na coluna e que por muitas vezes limitavam meus movimentos, procurei um traumatologista e após exames foram identificadas três hérnias discais na coluna (cervical e lombar) e eu tinha apenas 18 anos.

Na hora as primeiras palavras do médico foram ou ‘perde peso rapidamente ou as consequências seriam severas’. Saí apavorada do consultório porque se com um milhão de dietas e remédios eu não conseguia perder peso, o que eu faria? Até que em outra consulta o médico sugeriu que eu consultasse com um colega dele, um gastro especializado em cirurgia bariátrica (ou como chamam, redução de estômago).

Eu não tinha o peso necessário para a realização da cirurgia, porém tinha diversas comorbidades que são as doenças acarretadas pela obesidade. No dia 3/12/10 realizei a cirurgia, e não me arrependo nem um pouco. Sei que pode ter sido uma alternativa um pouco prematura, mas no momento foi o que me ajudou. Aprendi a comer corretamente, pq o que muitas pessoas não sabem o nosso paladar muda e coisas muito gostosas antes não chamam mais atenção e descobrimos uma infinidade de alimentos. E não, não é um processo fácil ou coisa de preguiçoso.

Noto muito nesses IG ditos de saúde em que exaltam que a pessoa ‘emagreceu SEM CIRURGIA’, como se emagrecer com cirurgia fosse muito fácil. É um processo complexo e requer muita dedicação. Durante os primeiros dois anos de cirurgia atingi um peso saudável assim como todos os problemas de saúde gerados pela obesidade melhoraram, ainda tinha uma grande dificuldade em aceitar meu corpo e ver as diferenças, mas com apoio profissional isso estava mudando.

Até que lá no comecinho de 2012 conheci o IG de uma menina que agora é super celebridade fitness, depois do dela comecei a procurar outros e blogs e todo tipo de informação acerca do que elas falavam, acreditando ser aquilo o certo. O argumento que muitas pessoas defensoras dessas ‘musas fitness’ usam é que segue quem quer ou quem tem a ‘cabeça fraca’, mas não no meu caso, sou estudante de Relações Internacionais, estudo idiomas e diversas áreas então não sou uma pessoa sem conhecimento nenhum.

Porém a cada IG que descobria, ficava louca atrás dos produtos e receitinhas indicadas, comecei a sentir mais vergonha ainda do meu corpo e achar que a minha cirurgia bariátrica que havia contribuído muito para minha saúde não tinha servido de nada, afinal eu ainda não pesava 50kg (só pra constar, tenho 1,67 e 61kg).

Tenho um espelho no corredor de casa e não tem uma vez em que eu passe na frente dele e não observe meu corpo de todos os ângulos possíveis e analisando todos os defeitos. Eu acreditava que para ser feliz bastava ser magra, e vi que não é bem assim. Para ser feliz precisamos nos aceitar e essa é a parte mais difícil de tudo.

Sim eu perdi peso com as dicas das blogueiras, mas ao mesmo tempo me tornei neurótica e carregava (às vezes ainda carrego um sentimento de culpa absurdo em relação à comida). Minha relação com a comida virou amor/ódio. Acredito que esses perfis prestam um desfavor a população e aos profissionais sérios da área.

Conheci o NSE algum tempinho atrás e foi como se uma porta imensa se abrisse na minha frente, pois sei que existem outras meninas que assim como eu lutam diariamente pela aceitação e para não entrarem nessa onda frenética imposta pela sociedade e mídia. Hoje eu faço acompanhamento psiquiátrico para aprender a lidar melhor com essas questões, porém têm dias que são muito difíceis, aqueles dias em que a gente se sente miserável apenas por uma celulite. É como se fosse um jogo, pois ao mesmo tempo em que sei o quanto não somos perfeitas e que não existe ABSOLUTAMENTE nada de errado em ter celulite ou não ter o corpo da modelo da revista ainda me cobro muito para corrigir esses ditos defeitos. Essa pressão é muito ruim e acredito que existem milhares de meninas na mesma situação que eu. Jamais deixarei de ir a aniversários, festas, comemorações em família ou aquele jantar com o namorado, para ter a bunda da Sabrina Sato, que aliás acredito que virou mais desejada que a mega sena.

Enfim, gostaria de parabenizar essa incrível ideia que foi o NSE que vem me auxiliando todos os dias, e garanto que a muitas meninas por aí. O processo de aceitação do próprio corpo é muito difícil, mas acredito de verdade que chegaremos a um patamar onde isso não fará mais com que milhares de pessoas sintam-se miseráveis com aquilo que tem de mais precioso, nosso corpo e nossa saúde.”

Paula, eu que te agradeço pela coragem de se expor e entrar em contato com tantas pessoas que sofrem por causa de corpo/beleza/alimentação… Mesmo que por motivos diferentes!

Te desejo uma pronta recuperação e uma vida cheia de alegria e delícias!

 

 

Anúncios

4 ideias sobre “História de Paula

  1. Xandi

    Dale Paulinha!! Esse tipo de “neura” com a aparência é tudo culpa da porra da TV que joga esse lixo em cima da gente!!
    Tenho saudades de ti e para mim não foi a aparência que fez com que a gente fosse ficar amigo no colégio e sim o fato de tu ser uma guria tri inteligente e parceria (inclusive me ajudando a estudar ehehehehe).

    Beijo

Os comentários estão desativados.