Cirurgias & Dragões

Hoje eu assisti uma reportagem na TV Cultura sobre o aumento vertiginoso dos procedimentos cirúrgicos por motivações estéticas (lembremos que “cirurgia plástica” é também importante na reconstrução e reparos em casos de câncer, ferimentos, acidentes, violência urbana…)

Sou brasileira e eu já estou sabendo que estamos na PÁTRIA DA ESTÉTICA. Na verdade, não me surpreendeu o aumento da procura, mas sim a declaração de uma mulher que fez lipoaspiração, prótese de silicone e não sei mais o que (ela fez várias intervenções):

– Eu comecei a buscar a cirurgia plástica porque eu acho importante envelhecer mantendo a mesma aparência.

344594-cats-weirded-out-cat

(mas como isso?)

Moça, isso aí não vai funcionar. Pessoas mudam.

Eu acho preocupante observar um discurso midiático que:

1) Banaliza procedimentos cirúrgicos.

2) Transmite a ideia que a “aparência dos sonhos” é atingível. Quando nós compramos ou nos esforçamos o bastante para tê-la. Ou os dois.

Precisamos saber que CIRURGIA PLÁSTICA continua sendo uma cirurgia. Sabe? Com anestesia, cortes, modificações na anatomia, sutura, pós operatório dolorido e até risco de morte. Não é “uma mexidinha”, como falam os artistas na TV.

Clique aqui e relembre casos de morte após cirurgias estéticas.

Cirurgia não é brincadeira. Nunca foi.

Com relação à questão de “envelhecer mantendo a mesma aparência”, sinto informar mas isso não vai acontecer. Organismos envelhecem e mudam. É um processo que não podemos reverter nem controlar. E essa é uma das maiores frustrações do bicho homem (Fonte da Juventude, alô!)

Eu lembrei dessa foto que anda circulando nas redes sociais, que mostra um casal que realizou uma “façanha” aparentemente em extinção no mundo contemporâneo: envelheceram juntos.

10009784_699295880093738_748597253_n

(Que bacana!)

Me faz pensar se ainda é possível que pessoas gostem umas das outras sem depender de status, dinheiro boa aparência. Se ainda existe fidelidade, admiração mútua, companheirismo. Mais que interesses, mas: compreensão e amizade. O que aconteceu com a nossa humanidade?

Meu pai estava assistindo TV junto comigo naquela hora e sobre a reportagem, apenas comentou:

-“Filha, você é Quixotesca.”

É. Talvez eu seja uma cavaleira andante meio pirada e sozinha, que delira com um mundo onde as pessoas genuinamente se aceitam e não existe a obrigação de sermos perfeitos.

193080_1180812449_large

 

Pois assim seja, continuo combatendo meus dragões.

Anúncios