Transtornos alimentares…e o caminhão.

Estamos na “Eating Disorder Awareness Week”, nos EUA. Significa uma semana de alerta para a gravidade e o perigo dos transtornos alimentares.

E veja bem, este é um problema muito, MUITO sério. Não é uma “frescura de adolescente” ou uma “coisa de mulher fútil”. Dificuldades no comportamento alimentar (seja quais forem) afetam milhões de pessoas de todas as idades, de todos os sexos e de todas as classes sociais.

Garotas sofrem com: “magra, magra, magra, magra!”

Garotos sofrem com: “grande, grande, grande, grande!”

São duas diferentes manifestações de um mesmo problema: a insatisfação com a própria aparência. A hiper-valorização da estética corporal. E a crença de que atender aos requisitos corporais da “beleza” nos acrescenta valor pessoal.

Enquanto isso…

O discurso midiático, em todas as suas formas, continua glorificando um tipo de corpo “belo” e “ideal” para todos.


Estamos nos afogando
em cultura pop que celebra heróis da Marvel musculosos, “Panicats”, “Big Brothers”, eventos da Victoria’s Secret, capas de revista, atrizes e atores que não representam ninguém além de um padrão corporal específico… (jovem. branco. magro.)

92913713

(Meu bom Deus, socorro!!)

E nós, espectadores , praticamos coletivamente a devoção de criticar a aparência das celebridades, buscando “falhas” em seus corpos.

Resultados dessa melódia?

– Transtornos Alimentares afetam 70 milhões de indivíduos em todo o globo.

– 10% dos portadores de transtorno alimentar são homens.

– 95% de todos os portadores têm entre 12 e 25 anos.

– 15% das pessoas não diagnosticadas com transtornos alimentares específicos apresentam um comportamento alimentar desordenado.

– A forma mais comum de desenvolver um transtorno alimentar é fazendo dieta.

– As indústrias de dieta & fitness movimentam mais de 50 bilhões de dólares/ano.

– 42% das meninas entre 6 e 9 anos querem ser mais magras.

– 40% das pessoas que têm compulsão alimentar são homens.

– Mais da metade (60%) das meninas em idade escolar sentem medo de engordar e se preocupam com seu peso.

– A anorexia nervosa é a terceira doença crônica mais comum entre adolescentes.

– Dois terços das mulheres entre 18 e 25 anos dizem que preferem ser definidas como “burras” do que “gordas”.

– 25% das Estudantes Universitárias acreditam que ficar em jejum e vomitar são técnicas válidas de manutenção de peso corporal.

 

…E para terminar, minha preferida:

– Mais da metade das mulheres entre 18 e 25 anos prefeririam ser atropeladas por um caminhão a engordar.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

(É. Um caminhão.)

Pois então, sim. Me parece que temos um grave problema de saúde coletiva.

(FONTE: North Dakota State University eating disorders survey)

Anúncios