Cultura Tóxica.

Vivemos numa cultura venenosa que tritura meninas.

Adolescentes são encorajadas a se distanciarem dos pais e da família, então as pessoas que mais as amam e verdadeiramente se interessam por elas são deixadas fora de seus cotidianos.

As meninas pré-adolescentes e adolescentes se espelham e buscam conselhos nos colegas e nas mensagens midiáticas.

Desde muito antes de chegar na adolescência, somos bombardeadas sem trégua com imagens que mostram aquilo que a sociedade define como uma “mulher bonita” ou “aceitável”.

As mulheres das imagens são: magras, artificiais e sexualizadas.

fashion

Essa imagem é internalizada.

E o que acontece em seguida é que virtualmente TODAS as meninas/garotas/mulheres se sentem inadequadas.

* Após 3 minutos de leitura de revistas femininas, 70% das mulheres se sentem culpadas, envergonhadas e deprimidas. (NEDA, 2007)

“Não sou bonita o bastante.”
“Não sou magra o bastante.”
“Não sou sexy o bastante.”
“Minha pele não é boa o bastante.”
“Meu cabelo não é brilhante o bastante.”

Etc. etc. etc. etc.

Outra coisa: garotas entre pré-adolescência e adolescência sentem que essas questões são MUITO IMPORTANTES. Não é um detalhe menor. Não é uma coisa irrelevante. E por isso o sofrimento causado pelo sentimento de inadequação é muito grande.

Ao longo das últimas 3 décadas, as modelos ficaram magras, mais magras e mais magras.

Ao mesmo tempo, a média de peso corporal das mulheres “comuns” aumentou.

Isso significa que o “ideal” fica cada vez MAIS DISTANTE da aparência da mulher normal.

E a angústia que esse quadro causa também fica cada vez maior.

A disparidade entre o que a cultura constrói e determina como mulher “bonita” e a verdadeira aparência das mulheres É MUITO GRANDE.

E porque nosso referencial de beleza é anti-natural, garotas fazem coisas anti-naturais para tentar emagrecer.

Portanto existe, sim, uma relação estreita entre a baixa auto-estima e o desejo de ser magra, “bonita” e aceita…e o aumento vertiginoso dos casos de transtornos alimentares.

Estamos imersas numa combinação de mensagens que engatilham transtornos alimentares:

1) Seja magra e “linda”.
2) Coma chocolate, pizza, sorvetes e salgadinhos: não passe vontade.

Discursos extremistas, esquizofrênicos, contraditórios causam muita ansiedade e dificuldade para agirmos com moderação.

Através da mídia também aprendemos que: a coisa mais importante para uma mulher é ser sexy. É ser sexualmente desejável. É ser agradável e convidativa ao olhar do outro.

sexy

(Sexy, sexy, sexy, sexy, sexy, sexy, sexy, sexy!! Você TEM QUE ser sexy!!!)

O hiper-investimento neste atributo em particular faz com que esqueçamos que temos senso de humor, caráter, personalidade, inteligência, diferentes dons.

Se somos mulheres, “valemos” pelo tamanho dos nossos seios, nossa bundinha e o formato do nosso corpo.

Eu, a autora desse Bloguinho, nado contra a corrente. Tenho alguns aliados. Somos poucos.

Mas eu CLAMO e defendo que A BELEZA PRECISA SER REDEFINIDA.

Porque faltam referenciais saudáveis das coisas que verdadeiramente importam.

Porque viver em função do corpo não irá nos fazer bem.

Anúncios

5 ideias sobre “Cultura Tóxica.

  1. Nina Vieira, Livreira

    O problema maior hoje é que estamos sexualizadas mesmo.
    Vejo, sei lá, a tal da Gracyanne Barbosa e me assusto. Aquilo não é uma mulher. Aquilo, aquele corpo, já está em um nível Chernobyl assustador.
    Ainda temos muitas moças magras, mas a “geração saúde” também nos trouxe as viciadas em fitness, as escravas de academia.
    Estou dizendo isso porque, a cada redefinição da beleza feminina, a coisa parece ficar pior.
    Sério, ando muito assustada.
    Abraços.

  2. Patrícia

    Parabéns pelo excelente texto!! Realmente é um assunto que deve ser discutido, pois os valores estão muito invertidos nos dias de hoje!! O que é realmente importante…a essência das pessoas está sendo esquecido! bjs

  3. Alanna

    Leio sempre seu blog e gosto bastante, sabe como a magreza ficou claramente evidente pra mim que é algo importante foi na escolha da Globeleza, nossa as mulheres são magrinhas, sem grandes curvas….. foi neste momento que eu percebi que estamos sendo levados a idéia que temos que ser magras, magras e magras. No inicio ao ler seu blog achei um pouco de radicalismo e tal, mais ao decorrer da leitura de outros temas fiquei observando que o mundo exige cada vez mais magreza. Eu sou magra tenho 54 kilos pra 1.63 e faço musculação 4x na semana e ainda sim acho que deveria ser melhor, mais bonita, mais magra rs, mais isso e aquilo. Com a leitura diariamente do seu blog tenho revisto alguns valores que estavam sendo implantados sem que eu percebesse na minha cabeça. Detalhe não leio revistas femininas odeio…. acho maior futilidade e mesmo assim sou injetada diariamente que devo ser magra magra magra e bonita sempre. Sem mais parabéns pelo blog estou adorando. Bjs.

Os comentários estão desativados.