E eles?

Enquanto fazia pesquisas, encontrei esta imagem:

KEN

(“ser  o Ken é tão difícil quanto ser a Barbie”)

E tive que admitir: para os homens, também não está fácil. Desde muito jovens, mulheres são envolvidas com “coisas de menina”, e homens são envolvidos com “coisas de menino”.

Essa imagem ilustra a diferenciação que nos é imposta:

Gender Bible

São publicações da Bíblia Sagrada. É O MESMO LIVRO. E (claro) o MESMO TEXTO. Porém a capa é diferente: homens são guerreiros. Mulheres são princesas. Portanto, as virtudes que devem ser buscadas na escritura são supostamente diferentes.

O homem é  corajoso, firme, bravo, guerreiro… “viril”. Homens não pedem ajuda. Homens não precisam de ninguém. E mulheres são princesas que esperam. ESPERAM. Presas na torre, até que um homem as resgate.

torre

O problema nasce quando as mulheres não ficam esperando um homem HUMANO, mas sim um SUPER-Homem, absolutamente idealizado, como aqueles representados em revistas, ensaios de moda e obras de ficção:

homens m Health

(Os “super-homens” da revista Men’s Health: caucasianos, fortes, musculosos  e… depilados: Idealização da figura do homem.)

Hoje celebramos o Dia dos Pais. E vale lembrar que SOMOS TODOS HUMANOS. E ser humano é difícil para todos. Representações estereotipadas são nocivas porque ferem nossa autonomia, criam expectativas irreais, nos tornam exigentes com o outro e com nós mesmos e nos fazem esquecer que a vida é orgânica e imperfeita: temos  manchas, gordurinhas, rugas, dias de mal humor e preguiça de tomar banho.

A vida não é um conto de fadas, e muito menos um episódio de “The OC”.

Anúncios

2 ideias sobre “E eles?

  1. Nina Vieira, Livreira

    É difícil pra todo mundo ser o que é se a sociedade impõe estruturas absurdas e surreais de comportamento. Ser o Ken é tão difícil quanto ser a Barbie porque o Ken é o ideal de perfeição masculina, para além de tomar conta de toda uma família. E, nessa família, a barbie não trabalha: bate perna em shopping.

    Ah, eu gostaria MUITO que você lesse o primeiro capítulo do meu diário sobre anorexia. Acho que tem a ver com o que você expõe aqui: http://revista21.com.br/?p=12956
    Abraços.

Os comentários estão desativados.