Definhe com os Anjos.

Anualmente, o canal de televisão CBS transmite o “Victoria´s Secret Show”, um mega-show-desfile em que modelos imaculadamente glamourosas e escolhidas a dedo desfilam os modelos de lingerie da corporação.

… As modelos desfrutam da glória de serem chamadas: “Victoria´s Secret´s Angels”.

Afinal, o que significa este privilégio?

Adriana Lima, que é brasileira, relata que durante nove dias antes do show, consome apenas shakes de proteína, ou seja, uma dieta 100% líquida.

NO DIA do evento: jejum completo, inclusive de líquidos (nem água pode, por que “expande a barriga.”).

Nos dias “normais”, Adriana consome 1200Kcal diariamente.

Resultado: a jovem de 1,78m e 50 quilos apresenta o alarmante índice de massa corporal de 15,78 Kg/m²… Uma ferramenta de cálculo diagnostica:

Heidi Klum, uma das participantes, que é alemã, relata: “Nosso trabalho é muito difícil, precisamos estar fortes para sustentar as nossas asas, que são pesadas.”

Ok… Deve ser mesmo muito difícil para quem tem o corpo de um refugiado de guerra.

Não é bonito. Não é exemplo. Não é saudável. É perigoso, e com toda certeza: NADA ANGELICAL.

Talvez “Victoria´s Secret” seja um segredo que não é bonito de se ver. Talvez por isso tais questões são mantidas em segredo.

Anúncios

2 ideias sobre “Definhe com os Anjos.

  1. Não sou Exposição. Autor do post

    Oi, Magrelinha (não sei seu nome!)

    Sinto muito por ofender, certamente não é esta a intenção. Estou do seu lado.

    Pode ter certeza que o próximo post será sobre a situação das mulheres magras, entendo seu ponto de vista e peço desculpas.

    De modo algum estou criticando mulheres naturalmente magras, que se alimentam e são saudáveis. Quando eu disse “refugiado de guerra”, quis dizer que estas garotas ESTÃO PASSANDO FOME. De verdade. Elas não têm energia para carregar as tais asas, por exemplo, e não foram poucas as modelos que morreram por causa disso.

    Elas não têm A APARÊNCIA de um refugiado de guerra: elas têm AS CONDIÇÕES FÍSICAS de um refugiado de guerra. E isso é triste, de partir o coração. Não é culpa delas, é contratual… É perverso e cruel, por isso falo delas como “refugiados de guerra”. Não estou sendo sarcástica.

    ( http://www1.folha.uol.com.br/folha/ilustrada/ult90u68486.shtml )

    Um abraço grande!

  2. Magrelinha

    Longe de ser a favor das dietas e pressões em que as modelos são submetidas para ficarem magras, mas dizer que um ser humano tem corpo de um refugiado de guerra é uma afirmação tão preconceituosa quanto a gordofobia. Já parou para pensar nas mulheres e meninas que são altas e magras naturalmente e SOFREM por isso? Pq claro, sempre tem um zé para chamar-nos de refugiadas de guerra, doentes, caveira, pq mulher só é bonita e gostosa se tiver carne! Estou louca para ver um blog feminista que trate a magrofobia tb, e coloque em visibilidade as pressões que mulheres magras sofrem por não serem “gostosas”.

    Cansei de ter meu corpo (que nem escolhi ter) sendo retratado como péssimo exemplo e algo capaz de levar à morte. Meu corpo não é o vilão.

Os comentários estão desativados.