“Homens não podem ter isso!”

No imaginário popular, os transtornos alimentares são problemas que afetam exclusivamente a população feminina. Mas isso não é verdade. A incidência de TA na população masculina certamente é menor, mas a questão é igualmente importante.

Os transtornos alimentares são doenças graves e muito impactantes para a mente e o organismo. Infelizmente, os distúrbios alimentares têm crescido vertiginosamente entre ambos os sexos. Todos esses problemas são decorrentes da supervalorização da magreza, as dificuldades para seguir uma alimentação “correta”, o discurso biomédico, os apelos da indústria do emagrecimento, o entendimento dos atributos físicos como moeda de valor e a concepção de “corpo ideal” absolutamente inatingível.

O depoimento a seguir foi enviado pelo leitor Ricardo Peres:

Oi pessoa! como estão?

Espero que bem, assim como eu ultimamente tenho me sentido!

Eu amo acompanhar todos os posts que são diretamente encaixados em toda uma situação que foi se desenrolando na minha vida. Bem, me chamo Ricardo e tenho 21 anos. Durante muito tempo da minha vida lutei contra a obesidade, por problemas de saúde, porque infelizmente o histórico de doenças vasculares da minha família não me ajudavam muito nesses aspectos e a gordura acabava piorando esse processo. A pressão arterial oscilava demais e com 15 anos chegava a ter a PA 22/15.

Como sempre fui gordinho desde pequeno passei a me acostumar com as brincadeiras de mau gosto, e isso é que não deve ocorrer: se acostumar em ser motivo de piada alheia por algo que não é uma piada, é uma forma sua, algo particular, sua constituição física.

Apanhei muito no colégio por ser gordo. Infelizmente apanhei até na rua, pelo mesmo motivo. Aos 19 anos decidi mudar meu padrão de vida que era regado a Fast food todos os dias, mergulhado no sedentarismo e com vários problemas de saúde, pela alimentação bem ruim que não me ajudava em nada. Entrei numa academia, comecei uma reeducação alimentar. Num período de 3 meses emagreci 4 Kg, me senti super bem! Aquilo era ótimo! Beirando os 135Kg em 1,70m, as pessoas me incentivavam com aquele papo: “Seu rosto é tão bonito, por que não emagrece?”

Bem, essa balela parecia incentivo na época, mas hoje sei ser preconceito revestido em tom falso de preocupação e tentativa de carisma.
Sendo assim, os 4Kg eram viciantes, mas como todo programa restritivo, parei de perder peso e meu lado psicológico estava completamente afetado. Resumindo, passei quase 6 meses à base de alface e água. Tive vários problemas de saúde por isso e no fim desenvolvi anorexia e transtorno dismórfico corporal. “Homens não podem ter isso!”, me diziam.

Cheguei a pesar 65Kg.

(Homens são menos propensos a buscar tratamento para transtornos alimentares por causa da percepção de que são “doenças de mulher”)

A página me ajudou muito a abandonar aquela rigidez de ver certas comidas como vilãs, de me restringir do que eu queira comer, e que no final não tenho mais a compulsão alimentar depois. Acompanhar tudo isso me fez ver que não tem problema a gente se relacionar com a comida.

Hoje, depois de 5 meses sem dieta, seguindo tudo conforme é necessário em questão de equilíbrio me sinto bem! Estou com 75Kg, fazendo musculação, ganhando um corpo bom, sem ossos aparentes como era, sem olheiras profundas e a pele seca.

Sei que esse peso é pela musculação, pela alimentação correta de agora e pelo corpo estar se recuperando de tantos choques desnecessários. Não me desespero pela recuperação desse peso, porque meu corpo está apenas se adequando ao padrão da minha constituição física, e fico muito feliz que isso tenha sido aprendido por mim com você!

Obrigado, realmente!

Luzes,

Ricardo Peres.

Eu, Paco, diante deste relato só posso explodir de felicidade por ter ajudado uma pessoa a se libertar da rigidez das dietas e do temor do ganho de peso.

O Ricardo fez questão de se identificar. Não tem um pingo de vergonha de ter passado por este problema e quer ajudar outros homens que possam estar vivendo as mesmas angústias.

Transtorno alimentar atinge os homens SIM.

Se você identifica algo desequilibrado no seu comportamento ou no de algum rapaz que você conhece… Busque ajuda!